app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Cidades

Morre em SP empresário baleado durante abordagem policial em Alagoas

Marcelo Barbosa Leite não resistiu á gravidade dos ferimentos por disparo de fuzil pela Polícia Militar em rodovia de AL

Por Redação | Edição do dia 06/12/2022 - Matéria atualizada em 06/12/2022 às 04h00

Morreu, na madrugada dessa segunda-feira (05), o empresário Marcelo Barbosa Leite, de 31 anos, vítima de disparo de fuzil, durante uma abordagem da Polícia Militar (PM), em Arapiraca, no dia 14 de novembro. Marcelo havia sido transferido em estado gravíssimo, na última terça-feira (29), para o Hospital Beneficência Portuguesa do Mirante, em São Paulo.

Nas redes sociais, a família pedia orações e justiça por Marcelo.

“Bom dia, pessoal! Gostaria de agradecer, primeiramente à Deus, por nos permitir nos despedir do Marcelo. Foram dias difíceis demais, ele lutou bravamente, foi um guerreiro, mas descansou! Agora só nos resta continuar orando pra que ele seja bem recebido no reino dos céus. Muito, muito, muito obrigada por cada oração! Ele suportou até aqui por cada uma delas. Que Deus possa nos fortalecer e nos dar suporte pra enfrentar os dias de saudade que estão por vir”, escreveu um familiar.

O caso

Marcelo foi atingido por um disparo de fuzil, nas costas, na madrugada do último dia 14, durante uma suposta perseguição, nas imediações do 3° Batalhão da PM, na AL-220, em Arapiraca. A família, por sua vez, contesta a versão policial de que ele estava com um revólver de calibre 38, com numeração raspada e três munições.

De acordo com o advogado da vítima, Marcelo era bastante conhecido na cidade, onde trabalhava juntamente com seu pai. A defesa dele pondera que, por conta de sua condição financeira e um histórico sem antecedentes, poderia possuir qualquer armamento de forma legal, ao contrário da versão apresentada pelos policiais militares à Delegacia de Arapiraca e que consta nos autos.

No dia 17 de novembro, o delegado-geral da Polícia Civil de Alagoas (PC/AL), Gustavo Xavier, designou três delegados para investigarem o caso: Filipe Ferreira Rodrigues Caldas, presidente da comissão, Sidney Walston Tenório de Araújo e Cayo Rodrigues da Silva.

Mais matérias
desta edição