app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5757
Cidades

Sesau orienta vacinação para evitar aumento da Covid após Réveillon

Em reunião, Grupo Técnico diz que estado fecha 2022 com estabilidade no nº de casos e óbitos pela doença

Por Tatianne Bandão | Edição do dia 29/12/2022 - Matéria atualizada em 29/12/2022 às 04h00

Após semanas com alta no número de casos, internações e óbitos causados pela Covid-19, Alagoas encerra o ano de 2022 apresentando um nível de estabilidade. A informação foi repassada pelos técnicos do  Grupo Técnico Científico da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) na última reunião ocorrida nessa quarta-feira (28) sobre o monitoramento do panorama epidemiológico, realizada pelo órgão estadual.

Apesar disso, infectologistas do alertam para que a população atualize o esquema vacinal contra o coronavírus para evitar o aumento de casos de Covid-19 após as festas de Réveillon. Conforme o Programa Nacional de Imunização, o esquema vacinal atual é formado por duas doses ou dose única no caso da Janssen, mais dois reforços e uma dose adicional para imunossuprimidos. Desde o dia 1º deste mês, a Sesau ampliou a vacinação contra a Covid-19 para crianças acima de seis meses a menores de três anos, sem comorbidades, com base em parecer do GTC.

O grupo avaliou que, diferente de outros estados que apresentaram aumento nos casos, Alagoas permanece em estabilidade na na última semana do ano. Na região Nordeste, por exemplo, Alagoas é o segundo menor em número de óbitos, ficando atrás somente de Sergipe. Com relação ao quantitativo de casos desde o início da pandemia, o estado alagoano é o que tem menos casos.

No entanto, os técnicos estão preocupados com o avanço da doença no período de festas do final do ano. Eles alertam que é preciso continuar com os cuidados não farmacológicos, como o uso de máscara em locais fechados, álcool em gel e o distanciamento social. 

“O que ficou evidenciado é que estamos numa fase de estabilização, que as medidas adotadas pelo Estado no número de leitos, atenção com relação aos exames e as medidas não farmacológicas têm surtido efeito. Agora, a semana do Natal e também do Ano Novo, são períodos de aglomerações, confraternizações, muitas pessoas estão se movimentando muito e isso faz com que tenhamos que manter essas medidas na mesma intensidade. As recomendações continuam as mesmas, ter muito cuidado com ambientes fechados, utilização das máscaras, e com relação ao distanciamento, na medida do possível”, disse o infectologista Renee Oliveira. 

Segundo o especialista, a maior orientação no momento é para que as pessoas que estejam com quadro gripal não participem de aglomerações. 

“Sabemos que é muito difícil nesse momento porque são festas de alegrias e as pessoas ficam muito próximas, mas precisamos orientar, principalmente, aquelas pessoas que estão com sintomas gripais. Nós solicitamos que nessa situação ela não vá a festas, fique em casa. Quem está com quadro gripal, não participe de nenhum evento, pensando naquelas pessoas que são mais suscetíveis, que podem encaminhar para uma internação, UTI, que são idosos e pessoas com comorbidades. Essas pessoas estarão nas festas e quem está com quadro gripal precisa pensar no outro também”, ressalta. 

“No momento, devido a cobertura vacinal, mesmo sendo deficente, mas temos uma cobertura, esse momento é onde quem tem uma saúde boa não pega uma covid grave, é raro, menos de 1%. Essa pessoa vai passar tranquilamente pela Covid, mas o idoso e o imunossuprimido não. Se ele pegar covid pode chegar a óbito, que é o que nós estamos vendo aí, é um número pequeno, mas vemos mortes ainda”. 

Enquanto outros estados apresentam aumento no número de casos e mortes, Alagoas se mantém num quadro estável. O infectologista explica que isso se deve ao clima continental do Brasil, mas que os alagoanos devem reforçar os cuidados, já que o fluxo de turistas vindos de todos os lugares do país e também do exterior, cresce neste período do ano. 

“O Brasil é um país continental. Nós recebemos muitas pessoas de fora e nós temos um time é muito parecido com o Sul do país e é diferente do que ocorre com estados do Norte, onde alguns estados vêm aumentando o número de casos, mas a maioria está estabilizado, mas não dá para garantir porque temos mais de uma subvariante da Ômicron. Alagoas e Maceió têm uma ligação grande com outros estados e outros países, por isso, nossa preocupação é para que nossa população se proteja. Não é nada demais. Naquela situação que tem a exigência, use a máscara, se proteja”, alerta.

Mais matérias
desta edição