app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5712
Cidades

Após quase 3 anos de pandemia, AL tem 90 pessoas internadas com Covid

Boletim epidemiológico mostra que 130 pessoas estão em isolamento domiciliar após alta hospitalar

Por Regina Carvalho | Edição do dia 30/12/2022 - Matéria atualizada em 30/12/2022 às 04h00

Após quase três anos de pandemia, havia ontem (29) 90 pessoas hospitalizadas com síndrome respiratória aguda grave (SRAG) por Covid em unidades públicas e privadas de Alagoas. Os dados são do Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde (CIEVS/AL) da Secretaria de Estado da Saúde e referem-se até esta quinta-feira.

O mesmo informe epidemiológico mostra que 130 pessoas estão em isolamento domiciliar após alta hospitalar de unidades com leitos reservados aos pacientes com Covid-19. 

Em relação à ocupação diária dos leitos exclusivos para a Covid-19 e SRAG por unidade de saúde da rede pública, estão hospitalizadas 64 pessoas. A taxa de ocupação é de 25% em relação as 256 vagas reservadas para tratamento desses pacientes, sendo 29% na Unidade de Terapia Intensiva (UTI); 27% dos leitos com respiradores e 24% dos clínicos. 

Ainda segundo o levantamento da Sesau, quatorze municípios alagoanos têm pacientes internados para tratar a Covid: Maceió, Arapiraca, Coruripe, São Miguel dos Campos, Delmiro Gouveia, Santana do Ipanema, Viçosa, Maragogi, União dos Palmares, Porto Calvo, Marechal Deodoro, Palmeira dos Índios, Penedo e Rio Largo. 

As maiores taxas de ocupação em Alagoas estão em Arapiraca, Delmiro Gouveia e Penedo, respectivamente, 50% (UTI, do total de dez leitos); 50% (UTI, do total de 10 leitos) e 50% (leitos clínicos).

As unidades que registram a ocupação de metade ou mais dos leitos reservados aos pacientes são Hospital Metropolitano (Maceió); Unidade de Emergência do Agreste (Arapiraca); Hospital Regional da Mata (União dos Palmares); Hospital Regional do Alto Sertão (Delmiro Gouveia); Hospital Dr. Helvio Auto (Maceió) Unidade de Pronto Atendimento (UPA, do Benedito Bentes, na capital) e UPA do Cidade Universitária (Maceió).

Boletim epidemiológico

Em Alagoas, oficialmente, 7.195 pessoas não resistiram às complicações da Covid e 334,9 mil casos confirmados da doença. As informações constam no boletim epidemiológico da Sesau, de ontem (29), que apontam ainda 1.514 em investigação. 

Nas últimas 24 horas, foram registradas mais 164 casos e uma morte por Covid em Alagoas. A vítima tinha 74 anos, era hipertensa, cardiopata e diabetes. A idosa morreu no Hospital Metropolitano de Maceió (HMM).

Após um período de queda de casos e mortes pela doença, o estado voltou, em dezembro, a vivenciar um crescimento que preocupa autoridades da saúde, principalmente devido ao grande número de turistas que chegam ao estado para curtir as festas de final de ano e o verão.

Dezembro começou com 324.713 casos da doença. Somente no primeiro dia do mês foram registrados 543 novos infectados. Em 29 dias do mês, de acordo com o boletim divulgado pela Sesau, foram confirmados 10.268 casos. 

As mortes também foram crescendo ao longo do mês. Em primeiro de dezembro, o estado contabilizava 7.142. Até ontem, foram um total de 53 mortes no mês, bem acima dos registros de meses como outubro e novembro quando era perceptível a queda. 

Após semanas com alta no número de casos, internações e óbitos causados pela Covid-19, Alagoas encerra o ano de 2022 apresentando um nível de estabilidade, segundo os técnicos do Grupo Técnico Científico da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) que se reuniram nessa quarta-feira (28). 

Apesar disso, infectologistas alertam para que a população atualize o esquema vacinal contra o coronavírus para evitar o aumento de casos de Covid-19 após as festas de Réveillon. Conforme o Programa Nacional de Imunização, o esquema vacinal atual é formado por duas doses ou dose única no caso da Janssen, mais dois reforços e uma dose adicional para imunossuprimidos. Desde o dia 1º deste mês, a Sesau ampliou a vacinação contra a Covid-19 para crianças acima de seis meses a menores de três anos, sem comorbidades, com base em parecer do GTC.

Mais matérias
desta edição