app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5718
Cidades

COVID: MAIS DA METADE DAS CIDADES EM AL TEM CASOS EM INVESTIGAÇÃO

Maceió, Palmeira dos Índios, Campo Alegre, Arapiraca e Marechal Deodoro seguem no topo da lista

Por ANNA CLÁUDIA ALMEIDA | Edição do dia 19/01/2023 - Matéria atualizada em 19/01/2023 às 16h47

Os números são animadores e mostram que os casos de covid-19 e mortes pela doença em Alagoas seguem em queda. Apesar disso, o estado ainda contabiliza diariamente novos registros de pessoas infectadas. Em mais da metade dos municípios apresentam casos em investigação. Os dados constam no último Boletim Epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) nesta quarta-feira (18). Ao todo, há casos sendo investigados em 56 municípios do estado. No topo da lista está Maceió que atualmente tem 356 pessoas que seguem aguardando resultado de exames para comprovar se estão infectadas com o coronavírus. A segunda cidade com mais casos em investigação é Palmeira dos Índios, num total de 49. A lista segue com Campo Alegre com 29, Arapiraca com 23 casos, Marechal Deodoro com 17 e Mata Grande com 15 casos sob suspeita.

Quando se trata de casos confirmados e óbitos pela doença, a capital alagoana também aparece no topo: são 131.425 pessoas que foram infectadas pelo vírus e 3.207 óbitos desde o início da pandemia em 2020. Arapiraca, no Agreste de Alagoas, é o segundo município com mais casos: um total de 41.770 e 590 mortes.

A lista segue com Marechal Deodoro em quarto lugar, com 8.794 casos confirmados e Palmeira dos Índios com 7.606. Já no número de óbitos, Delmiro Gouveia ocupa a quarta posição contabilizando 151 mortes, sendo seguido por Rio Largo e Palmeira dos Índios, com 194 e 186 mortes, respectivamente. Ao todo, desde o início da pandemia, Alagoas segue com 336.701 casos confirmados de pessoas infectadas pela covid-19; já foram descartados 579.836 casos e 328.908 pacientes já estão recuperados. O número de notificações desde 2020 chega a 917.160. Já os óbitos em Alagoas alcançou o número de 7.229 pessoas que não resistiram ao vírus. Ainda de acordo com o boletim da Sesau, há atualmente 614 casos suspeitos e sob investigação. Em 24 horas, não houve registro de mortes pela doença. A maioria dos infectados pela Síndrome Gripal (SG) é do sexto feminino: são 181.670, o que representa 58,5%; já do sexo masculino somam 128.747, um percentual de 41,5%. Quando se fala em Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) o sexo masculino sobressai entre os casos confirmados: são 13.994 (53,2%); já do sexo feminino são 12.290 (46,8%). O boletim também traz o panorama da faixa etária mais atingida pela covid quando se trata de óbitos. Os idosos são as maiores vítimas da doença em Alagoas. Desde 2020, são 4.831 mortos por covid-19 (faixa etária a partir dos 60 anos).

LEITOS PARA COVID-19

Os dados da Sesau apontam ainda que o índice de ocupação dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) nos hospitais públicos do Estado caiu nas primeiras semanas do ano, o que indica uma tendência de mais queda. O boletim traz que ontem, dos 25 leitos de UTIs, apenas um estava ocupado em Maceió o que representa um percentual de apenas 4%; no interior, dos 11 leitos disponíveis, todos estão vagos. Há um total de 36 UTIs em todo estado para pacientes em tratamento da doença e apenas 3% de ocupação. Atualmente, o estado dispõe de 164 leitos para pacientes com covid-19 e uma ocupação de apenas 18, o que representa 11% do total. A maioria dos pacientes estão internados em leitos clínicos: são 124 distribuídos em toda Alagoas, com 17 ocupados, uma taxa de 14%. Na capital alagoana, há 79 leitos, sendo 10 ocupados, o que representa 13% do total. O Estado tem três tipos de leitos para pacientes com confirmação ou suspeita da Covid-19: leitos clínicos, destinados a pacientes menos graves; leitos intermediários com respirador, em Unidades de Pronto Atendimento (UPA) para estabilização do paciente até que seja transferido a um hospital; e leitos de UTI, destinados a pacientes em situação grave.

Mais matérias
desta edição