app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5749
Cidades

AL TEM MÉDIA DE SETE COLISÕES EM POSTE POR DIA AO LONGO DE 2022

No ano passado, foram 2.611 ocorrências contra 2.051 em 2021; isso representa um aumento de 27,30%

Por ANNA CLÁUDIA ALMEIDA | Edição do dia 27/01/2023 - Matéria atualizada em 27/01/2023 às 09h08

Os acidentes de trânsito envolvendo colisões contra postes têm gerado prejuízos tanto para consumidores, como para a distribuidora de energia elétrica no estado. Segundo dados divulgados pela Equatorial Alagoas, em todo ano de 2022 foram registradas 2.611 ocorrências deste tipo, o que representa uma média de sete postes danificados ou destruído por dia no estado. Esse número é bem maior comparado ao ano anterior, 2021. De janeiro a dezembro, foram 2.051 ocorrências de acidentes, em todo o estado, provocadas por condutores de veículos automotivos, que colidiram contra postes da empresa. O aumento percentual foi de 27,30%. Segundo a companhia, além dos danos causados ao veículo e ao condutor, uma das principais consequências é a falta de energia elétrica no local do acidente. A depender da gravidade da colisão, pode afetar também o fornecimento para bairros inteiros, até que seja finalizado o serviço de reparo dos componentes ou a troca do poste. A empresa explica ainda que atua preventivamente para proteção das estruturas contra possíveis colisões para impedir ou minimizar os abalroamentos. O gerente de relacionamento com o cliente da Equatorial, Carlos Morais, afirma que a primeira maior preocupação é com a segurança das pessoas envolvidas no acidente, além do trabalho imediato da distribuidora para recomposição da rede afetada. "É um prejuízo para toda a sociedade. Quando há uma colisão contra um poste é preciso um trabalho de recomposição da rede, numa atuação para normalizar o fornecimento de energia quando afetado. Ou seja, há prejuízos para comerciantes, por exemplo. E há todo um procedimento para que a troca do equipamento seja realizada", disse Morais. Vale destacar, que o trabalho de manutenção, nesses casos, costuma depender também da ação de outros agentes públicos, como policiais militares, agentes de trânsito e bombeiros, uma vez que os acidentes podem gerar vítimas, incêndios e interdições de vias. O tempo previsto para a normalização do sistema varia de acordo com o dano causado. "Não temos como estimar um tempo. Há colisões onde o poste é totalmente danificado e precisa ser trocado ou as mais simples. Se tiver um transformador e for avariado, é preciso trocar. Então são ocorrências que vão variando o tempo de conclusão", acrescentou o gerente da Equatorial. Os maiores registros desses acidentes, segundo a distribuidora, ocorrem na Região Metropolitana e em Arapiraca, locais onde há aumento da frota e maior quantidade de vias, além de velocidades maiores que os veículos circulam.

CUSTOS

A Distribuidora ressalta que, em média, a substituição de um poste custa R$ 3 mil, mas pode chegar a R$ 44 mil ou até valores ainda maiores. O custo varia de acordo com as condições da estrutura atingida: qual o tipo de poste, o que está instalado nele e qual a carga (energia) interrompida na área afetada. Quando é possível realizar a identificação do condutor ou do proprietário do veículo, ele é responsabilizado para arcar com os danos causados ao patrimônio da concessionária. “Sempre que conseguimos identificar o condutor ou o proprietário do veículo, efetuamos a cobrança para ressarcimento dos prejuízos. Se houver recusa, podemos recorrer às vias judiciais. Quando isso não é possível, infelizmente o ônus fica com a Distribuidora”, destacou o representante da Equatorial.

O QUE FAZER EM EM CASOS DE ACIDENTE?

Em caso de acidentes com poste ou ao encontrar um fio de energia elétrica solto na rua, a empresa orienta que não se aproxime, faça o isolamento da área, acione o Corpo de Bombeiros pelo 193 e acione imediatamente a Equatorial pelo 0800 082 0196. Caso um fio partido atinja algum veículo automotor com ocupantes, a Distribuidora orienta que jamais se deve tentar sair do veículo até que seja feito o atendimento pelas equipes especializadas para evitar que acidentes graves ou até mesmo fatais venham a acontecer. Em caso de incêndio, a orientação é saltar para fora do veículo aterrissando com os dois pés juntos e se afastar do carro com passos curtos, arrastando os pés, por no mínimo 25 metros.

Mais matérias
desta edição