app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5756
Cidades

Vigil�ncia alerta para prolifera��o do mosquito da dengue em Macei�

FÁTIMA ALMEIDA Alagoas tem cerca de dois mil agentes trabalhando permanentemente no controle da dengue. Mais de 500 atuam em Maceió, segundo a coordenadora de Vigilância Epidemiológica do Estado, Cleide Moreira. A aproximação das chuvas de verão, segundo

Por | Edição do dia 25/01/2005 - Matéria atualizada em 25/01/2005 às 00h00

FÁTIMA ALMEIDA Alagoas tem cerca de dois mil agentes trabalhando permanentemente no controle da dengue. Mais de 500 atuam em Maceió, segundo a coordenadora de Vigilância Epidemiológica do Estado, Cleide Moreira. A aproximação das chuvas de verão, segundo ela, exige atenção redobrada. É nessa época  do ano, entre os meses de janeiro e abril, quando chove e  faz calor ao mesmo tempo, que  há maior proliferação do mosquito vetor, o Aedes aegypti. Outros fatores, como o aumento da população flutuante por causa do turismo, levam à adoção de reservatórios para prevenção da falta d’água, o que também contribui para aumentar a quantidade de mosquitos e o risco de infestação. Fumacê “É preciso reforçar o trabalho e haver maior envolvimento de todos os setores. A coleta de lixo, por exemplo, tem que ser intensificada, e a própria comunidade deve colaborar”, diz Cleide. Na sua opinião, a população tem conhecimento suficiente para ajudar no controle da doença, mas nem todos adotam o comportamento adequado. “O controle é feito por meio do combate ao mosquito vetor, visitando casa a casa, fazendo o bloqueio de áreas onde há ocorrências, o tratamento no local e utilizando o fumacê”, explicou ela. Casas fechadas O coordenador do Programa de Controle da Dengue em Maceió, Paulo de Carvalho, disse que o maior problema no controle da doença é o grande número de casas fechadas. “Em Mangabeiras, por exemplo, o percentual é de 40% das residências”, explica ele. Outro problema está nos condomínios, onde é comum os agentes serem barrados pelo porteiro. Paulo de Carvalho esclarece que Maceió não é, proporcionalmente, o município com maior número de notificações no Estado. “O que acontece, primeiro, é que 1/3 da população de Alagoas mora na capital; em segundo lugar, boa parte dos pacientes vindos do interior dá o endereço de uma pessoa de Maceió, o que não só prejudica as estatísticas como o tratamento, porque fazemos o bloqueio da área ao redor do endereço fornecido”, diz ele.

Mais matérias
desta edição