app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5754
Cidades

PAM do Salgadinho vive dia de caos sem servidor

FÁBIA ASSUMPÇÃO Um tumulto envolvendo pacientes e funcionários, ontem pela manhã, no Posto de Atendimento Médico (PAM) do Salgadinho – o maior de Alagoas – provocou confusão e desinformação no setor de cadastro de cartões do Sistema Único de Saúde (SUS)

Por | Edição do dia 26/01/2005 - Matéria atualizada em 26/01/2005 às 00h00

FÁBIA ASSUMPÇÃO Um tumulto envolvendo pacientes e funcionários, ontem pela manhã, no Posto de Atendimento Médico (PAM) do Salgadinho – o maior de Alagoas – provocou confusão e desinformação no setor de cadastro de cartões do Sistema Único de Saúde (SUS). As filas começaram a se formar durante a madrugada. Inconformadas com a demora, as pessoas decidiram invadir a pequena sala onde trabalham apenas dois funcionários. O tumulto só foi controlado com a chegada de guardas civis municipais. Por dia, são distribuídas apenas 20 fichas, só que mais de cem pessoas, em média, buscam atendimento diariamente no setor do SUS. O problema foi agravado com a quebra da bomba do poço artesiano, o que deixou o posto sem água e os banheiros tiveram que ser interditados. Demissão pelo rádio O prefeito Cícero Almeida tomou conhecimento da confusão quando fazia uma visita às obras da nova Ceasa, ao lado do governador Ronaldo Lessa. Em entrevista às rádios locais, sem saber de fato o que se passava, Almeida determinou a demissão da diretora do posto, Josefa Silvana de Almeida. Ao tomar conhecimento da decisão do prefeito, Josefa Silvana afirmou que, apesar de Almeida ser o prefeito, ela tinha um compromisso com o secretário municipal de Saúde, João Macário, e só deixaria o cargo se recebesse um telefonema dele. Falta de servidores Silvana explicou que está administrando o PAM Salgadinho praticamente sozinha. Segundo ela, todos os funcionários comissionados tiveram os cargos colocados à disposição e, até ontem, os substitutos não haviam sido nomeados. E acrescentou que o prefeito pode destituí-la do cargo de direção do PAM Salgadinho, onde está desde o final do ano passado, mas não pode demiti-la, pois é funcionária concursada – tanto do município como do Estado. Segundo Silvana, o PAM Salgadinho vem enfrentando problemas porque, além da grande demanda de pacientes do próprio posto, está tendo que absorver o atendimento das pessoas que ainda não receberam o Cartão SUS. Pela portaria ministerial 719, de 3 de dezembro de 2004, os cartões passarão a ser exigidos a partir de março. E até lá, os médicos e os hospitais não podem se recusar a fazer o atendimento das pessoas que ainda estão sem o cartão. “Só que isso tem gerado ansiedade nas pessoas, e muitas se dirigem ao PAM Salgadinho”, disse Silvana. Ela explica que só existem dois funcionários no setor de cadastro dos cartões. “Muitas pessoas não se lembram se fizeram o cadastro ou não. Por isso, é preciso consultar pelo computador, via Internet, se a pessoa é cadastrada ou não”. A demora é ainda maior porque o cadastro é por família e algumas são numerosas. Definição O secretário municipal de Saúde, João Macário, informou que a atual diretora do PAM Salgadinho permanecerá no cargo até que uma nova pessoa seja escolhida para ocupar o seu lugar. “Vou me reunir com o prefeito Cícero Almeida para que seja definida uma posição sobre este caso”, esclareceu o secretário, que esteve reunido, ontem à tarde, com representantes do Núcleo Operativo do Cartão SUS para discutir as razões que teriam gerado a confusão no posto de atendimento médico. Continua na página A14

Mais matérias
desta edição