app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5756
Cidades

Delegado monta opera��o para prender pitboy

EDNELSON FEITOSA O delegado do 2º Distrito Policial, Dalmo Lima Lopes, perdeu a paciência e montou ontem uma operação para prender o lutador de jiu-jítsu Thiago Lira, acusado de espancar e e mutilar, com um copo quebrado, o rosto do universitário Felipe

Por | Edição do dia 29/01/2005 - Matéria atualizada em 29/01/2005 às 00h00

EDNELSON FEITOSA O delegado do 2º Distrito Policial, Dalmo Lima Lopes, perdeu a paciência e montou ontem uma operação para prender o lutador de jiu-jítsu Thiago Lira, acusado de espancar e e mutilar, com um copo quebrado, o rosto do universitário Felipe Monteiro de Vasconcelos, 20, no interior de uma boate, no Stella Maris, na Jatiúca. O crime ocorreu na semana passada. A decisão do delegado foi tomada em conseqüência da demora na apresentação do pitboy, que vem ignorando a convocação. O advogado de Thiago, Welton Roberto, foi enfático: “Não vou apresentar um cliente para ele ficar preso, por um problema que poderia ser resolvido com um TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência)”. Segundo ele, o delegado conseguiu a prisão temporária do acusado junto ao juiz de plantão Ricardo Jorge e estava aguardando que comparecesse à distrital para efetuar sua prisão. Na manhã de ontem, o delegado determinou que policiais da Delegacia do 2º Distrito fossem à residência de Thiago para conseguir sua qualificação completa: nome completo com a grafia correta, filiação, data de nascimento e o número do documento de identidade. Os policiais receberam recomendação de que, se ele estivesse em casa, deveria ser preso para interrogatório. O advogado Welton Roberto já entrou com um pedido para revogar a prisão de Thiago Lira, que pode ocorrer nas próximas horas. A principal alegação da defesa é de que não cabe a abertura de inquérito no caso de lesão corporal leve. O que prevê a lei, diz o advogado, é que seja feito o TCO. Ninguém chega a ser ouvido na fase policial, que é concluída em 10 dias, no máximo, e o procedimento é enviado à Justiça. Outra decisão que demonstra que o delegado Dalmo Lima Lopes quer a prisão imediata do acusado é o fato de ele ter determinado que, nas rondas realizadas na orla marítima, neste fim de semana, os policiais tentem localizar o pitboy em bares, boates e restaurantes dos bairros de Jaraguá e Jatiúca. Pressão de políticos Contrariando “pressões externas”, inclusive de políticos influentes que são familiares de Thiago Lira, o delegado Dalmo Lima Lopes não mandou fazer TCO. Ele determinou ao cartório da distrital, que fosse aberto inquérito e que Thiago e seu cúmplice fossem indiciados pelo crime. Até o momento, o delegado não recebeu o resultado do exame de corpo de delito, que definirá se ocorreu lesão grave ou leve. Outro acusado A polícia identificou o segundo acusado da agressão sofrida pelo universitário Felipe Vasconcelos como sendo o estudante Felipe Costa, um rapaz que aparenta 25 anos. As autoridades policiais identificaram o suspeito com a ajuda de parentes da vítima, mas ainda não conseguiram localizá-lo. As testemunhas do crime garantiram à polícia que Felipe Costa aplicou socos na vítima, logo após o pitboy Thiago Lira, um dos integrantes do grupo do lutador de jiu-jítsu Charles Alexandre, o “Charlão”, quebrar um copo no rosto de Felipe. “Charlão” liderou, em julho do ano passado, o espancamento do estudante Klébson Silva de Almeida, ocorrido na boate Uau, em Jaraguá. Ele e seu grupo respondem a processo na Justiça em liberdade. O caso revoltou a comunidade pela forma cruel como a vítima, atacada por vários rapazes, foi agredida a golpes de artes marciais. Foi o delegado Dalmo Lima quem apurou o crime e indiciou Thiago Lira, que acabou inocentado pela Justiça, porque não tinha aparecido na fita gravada pela segurança da boate e que mostrava parte da agressão contra Klébson. No entanto, as testemunhas asseguram que ele integrava o grupo e que havia participado do espancamento. Interferência A polícia não confirma, mas existem rumores de que um político, parente de Thiago Lira, tenta interferir nas investigações da agressão contra Felipe Monteiro, inclusive telefonando para a Delegacia do 2º Distrito, protestando contra declarações do delegado Dalmo Lima Lopes e do chefe do Setor de Operações, Roberto Carneiro. Dalmo Lopes não fala a respeito. No entanto, assessores da cúpula da Polícia Civil garantem que os delegados da capital e interior têm total apoio do secretário de Defesa Social, Robervaldo Davino, para realizar seu trabalho com isenção, não se intimidando com afrontas ou mesmo ameaças de políticos.

Mais matérias
desta edição