app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5718
Cidades

Ana Lu�sa assume Instituto Arnon de Mello

Levar adiante o ideário de Arnon de Mello, realizando projetos no campo da cultura, educação, ciência e tecnologia e meio ambiente. Essas são as metas do Instituto Arnon de Mello (IAM), lembrou a jornalista e escritora Ana Luísa Collor de Mello, que ass

Por | Edição do dia 28/04/2002 - Matéria atualizada em 28/04/2002 às 00h00

Levar adiante o ideário de Arnon de Mello, realizando projetos no campo da cultura, educação, ciência e tecnologia e meio ambiente. Essas são as metas do Instituto Arnon de Mello (IAM), lembrou a jornalista e escritora Ana Luísa Collor de Mello, que assumiu a presidência do IAM em substituição a Arnon de Mello Neto, que se afastou em função da participação nas eleições 2002. “Nada mais legítimo do que a filha de Arnon de Mello, que o acompanhou em todas as ações culturais durante sua vida, passar a responder pelo comando do instituto. Com prazer, serei parceiro desse grande projeto, que tem um enorme campo de trabalho, de cidadania, junto ao povo alagoano”, afirmou o vice-presidente do IAM, advogado Djalma Mello. Ana Luísa Collor de Mello ressaltou o trabalho de seu antecessor e sobrinho, Arnon de Mello Neto, à frente do instituto. “Arnon fez um notável trabalho, fiel à herança cultural do avô. Todos os projetos implementados por Arnon de Mello Neto durante a sua gestão no IAM serão levados adiante e até ampliados em sua área de atuação”, assegurou Ana Luísa. “Cultura e educação formam a base de atuação pública do Instituto Arnon de Mello. Essas são atividades permanentes e entendidas em seu sentido maior, abarcam o conhecimento humano, a experiência de vida da humanidade”, declarou a presidente, garantindo que o instituto diversificará suas ações para a defesa do meio ambiente e de projetos ligados à ciência e tecnologia, lembrando que seu pai, enquanto senador, dedicou grandes esforços aos projetos de modernização energética no Brasil, inclusive discutindo a questão atômica. “Acompanhei meu pai, Arnon de Mello, em todas as suas iniciativas nas áreas da educação e cultura. Ajudei-o a construir sua biblioteca, catalogando junto com ele seus livros, que eram adquiridos em número de quatro exemplares, com a explícita intenção de formar uma biblioteca pública, aberta aos pesquisadores e estudantes”, recordou Ana Luísa. “Desenvolver o Instituto Arnon de Mello seguindo esse ideal de cidadania é ser fiel à obra de Arnon de Mello. Esse é o meu esforço”, afirmou a presidente do IAM, Ana Luísa Collor de Mello. A jornalista destacou, ainda, que graças ao trabalho sistemático de seu pai Alagoas dispõe de um importante arquivo onde estão resguardados fatos, fotos e notícias que retratam todos os momentos e acontecimentos da história alagoana nos quais Arnon de Mello teve participação. “São décadas de observação criteriosa, tudo documentado por ele próprio, sempre atento a tudo o que a imprensa registrava em seu tempo sobre Alagoas, o Brasil e sobre os temas mais polêmicos desse anos”. Ana Luísa Collor de Mello  passa a acumular duas presidências, a da Organização Arnon de Mello (OAM), que engloba todas as empresas e  instituições vinculadas ao  grupo e o próprio instituto,  um dos componentes da  OAM. “O acúmulo de tarefas  não me assusta, até porque o trabalho no instituto é particularmente estimulante. Fiquei muito gratificada pela indicação de meu sobrinho, Arnon, para o substituir nessa função. É algo em que trabalhei a vida toda, e enquanto meu pai viveu, vivenciei ao lado dele a experiência do trabalho cultural cotidiano. Hoje, retomo essa atividade que me foi ensinada e repassada por ele”, finalizou Ana Luísa Collor de Mello.

Mais matérias
desta edição