app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5717
Cidades

Reprovados em concurso v�o � Justi�a

Um grupo de 80 candidatos reprovados no teste de aptidão física do concurso público da Polícia Militar de Alagoas e Corpo de Bombeiros resolveu entrar na Justiça contra a reprovação, alegando que os testes foram feitos de forma irregular, pois, segundo el

Por | Edição do dia 30/04/2002 - Matéria atualizada em 30/04/2002 às 00h00

Um grupo de 80 candidatos reprovados no teste de aptidão física do concurso público da Polícia Militar de Alagoas e Corpo de Bombeiros resolveu entrar na Justiça contra a reprovação, alegando que os testes foram feitos de forma irregular, pois, segundo eles, ferem o edital do concurso. “Queremos que o governo reconsidere esses testes e faça uma nova chamada”, disse o candidato Devis Klinger Menezes, que fez o concurso para soldado da PM. O advogado do grupo, José Carlos Ribeiro Rocha, afirmou que entrará com mandado de segurança coletivo, na próxima quinta-feira, pedindo opção para fazer uma segunda chamada ou que os candidatos passem logo para fazer o exame psicotécnico. “Vamos alegar a inconstitucionalidade do edital, pois, diferentemente do concurso da Polícia Civil, não houve avaliação para cada teste do exame de aptidão física. Além disso, o edital, no item 2.2, informava que os convocados, após se submeteram à avaliação médica, com a entrega dos exames exigidos, receberiam um cartão informando local e horário para a realização da bateria de testes físicos, o que não ocorreu”, ressaltou. Ele acrescenta que os candidatos já foram imediatamente fazer o teste de aptidão física, excluindo, inclusive, casos fortuitos como gravidez, menstruação, mal súbito, entre outros. Para pressionar o governo, os reprovados vão realizar uma manifestação, na próxima quinta-feira, às 10 horas, em frente à sede da Secretaria Estadual de Administração. “Tivemos boa colocação nas provas objetivas e fomos penalizados com esse teste físico absurdo, que tinha mais caráter de eliminação do que de medir a capacidade física dos candidatos”, reclamou César Fortes, que fez as provas para soldado da PM.

Mais matérias
desta edição