app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5718
Cidades

Infesta��o cresceu 300% com excesso de umidade

A cigarrinha da folha pode provocar perdas de até 100% na cultura da cana-de-açúcar. O inseto suga a seiva da planta e solta uma substância tóxica que queima as folhas da cana, atrasando o seu desenvolvimento. A ocorrência da praga se dá normalmente no

Por | Edição do dia 12/05/2002 - Matéria atualizada em 12/05/2002 às 00h00

A cigarrinha da folha pode provocar perdas de até 100% na cultura da cana-de-açúcar. O inseto suga a seiva da planta e solta uma substância tóxica que queima as folhas da cana, atrasando o seu desenvolvimento. A ocorrência da praga se dá normalmente no inverno, com a formação de até três ciclos reprodutivos por safra. “Este ano, a ocorrência da praga foi precipitada para janeiro, por causa do excesso de umidade provocado pelas chuvas acima da média durante o verão. Como resultado, teremos mais dois ciclos e um aumento na população dos insetos nos canaviais”, analisa Edvaldo Tenório. A Asplana ainda não fez estimativa para as perdas, mas admite que a redução de safra nas áreas mais afetadas pode chegar a uma média de 40%. “A única saída é reforçar o controle. Para isso, estamos dependendo da liberação dos recursos da equalização (subsídio). Assim que o dinheiro for liberado, vamos contratar aviões e pulverizar todas as áreas de fornecedores no Estado”, antecipa Tenório. Os técnicos também vão avaliar a necessidade do uso de inseticida. “Só usaremos o controle químico no último caso. O inseticida também mata insetos benéficos para a planta e é mais caro, por isso vamos fazer, prioritariamente o controle biológico”, enfatiza.

Mais matérias
desta edição