app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5752
Cidades

MP quer mais fiscaliza��o em locais com ca�a-n�queis

O promotor de Justiça da Vara da Infância e Adolescência, Ubirajara Ramos, afirmou, ontem, que o Ministério Público está cobrando da polícia uma maior fiscalização nos estabelecimentos onde existem máquinas caça-níqueis. Ele alertou que esses locais pod

Por | Edição do dia 15/05/2002 - Matéria atualizada em 15/05/2002 às 00h00

O promotor de Justiça da Vara da Infância e Adolescência, Ubirajara Ramos, afirmou, ontem, que o Ministério Público está cobrando da polícia uma maior fiscalização nos estabelecimentos onde existem máquinas caça-níqueis. Ele alertou que esses locais podem até ser fechados, caso crianças sejam flagradas participando do jogo de azar. “A presença de menores nos estabelecimentos onde existem máquinas é um crime, artigo 174 do Código Penal, mas há quem diga que o jogo é uma atividade lúdica”, ressaltou o promotor, esclarecendo que existe uma liminar que permite o funcionamento das máquinas caça-níqueis em Alagoas. A punição para os estabelecimentos que forem flagrados deixando crianças jogarem nas máquinas varia de 20 salários mínimos ao fechamento por um prazo de 15 dias. “Somente podemos entrar com uma ação na Justiça quando temos provas suficientes contra o estabelecimento, por isso é que estamos pedindo à polícia que aumente a fiscalização”, explicou Ubirajara Ramos. O promotor revelou que tomou conhecimento de casos de crianças que estariam furtando dinheiro dos pais para jogar nas máquinas caça-níqueis, o que reforça a denúncia feita, na última segunda-feira, pela diretora da Associação do Movimento de Amparo à Infância (AMAI), Flávia Correia, de que vários menores já estariam viciados no jogo de azar. A diretora da Amai disse que há meninos completamente viciados e que até roubam para jogar. “Esse vício pode levá-lo a outros como álcool e drogas, uma vez que a maioria das máquinas é instalada em bares”, salientou Flávia Correia, acrescentando que a Secretaria de Defesa Social deve aumentar a fiscalização nos pontos onde crianças são flagradas jogando.

Mais matérias
desta edição