app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5729
Cidades

Duplo cora��o � esperan�a para novos transplantados

| MARCOS RODRIGUES Repórter O ano de 2005 termina com uma boa notícia para quem espera por um coração na fila de transplante. Graças a uma nova técnica, que aproveita o coração de um doador, acoplado ao coração doente, famílias e pacientes poderão dimin

Por | Edição do dia 29/12/2005 - Matéria atualizada em 29/12/2005 às 00h00

| MARCOS RODRIGUES Repórter O ano de 2005 termina com uma boa notícia para quem espera por um coração na fila de transplante. Graças a uma nova técnica, que aproveita o coração de um doador, acoplado ao coração doente, famílias e pacientes poderão diminuir a angústia da espera. Dos cinco transplantes realizados este ano pela Santa Casa de Misericórida de Maceió, em três foi utilizado esse procedimento. Segundo o autor da técnica, o médico cardiologista José Wanderley Neto, os pacientes que receberam o segundo coração passam bem. “Estamos diante de um procedimento que aproveita órgãos que pela técnica tradicional, a do transplante completo, seriam descartados por causa das condições naturais do órgão do doador”, explica Wanderley. O detalhe é que na maioria dos casos as famílias demoram a autorizar o transplante. Isso afeta a qualidade do órgão, que passa a sofrer deterioração, por coausa da perda de temperatura. Na terça-feira, mais um paciente do Sistema Único de Saúde (SUS), foi operado. Ele não teve o seu nome revelado, mas passa bem. “O ecocardiograma que realizamos mostrou que o coração doente já está funcionando com regularidade e em sintonia com o novo”, disse Wanderley. No ano passado, a técnica foi exposta nacionalmente e considerada inovadora. ### Família esperançosa espera por alta médica em 5 dias A família do paciente está esparançosa. Sua esposa, a dona-de- casa Vera Lúcia Soares da Silva, não esconde a expectativa. Por telefone, ela contou que o marido aguardava o transplante há três anos. “Na semana passada ele chegou a comentar comigo que estava achando difícil encontrar um doador, porque já estávamos esperando isso há muito tempo”, relembra Vera. Mas tudo mudou quando, na segunda-feira, a equipe médica o chamou para realizar os exames de compatibilidade. Surgira um doador da cidade de Major Izidoro. No dia seguinte à maratona veio a cirurgia, que durou 8 horas e foi realizada por uma equipe de 22 pessoas. Recuperação A recuperação do aposentado está sendo considerada satisfatória. Segundo o médico, ele poderá retornar para casa em até cinco dias. O sucesso dos procedimentos, porém, dependerá da mudança de postura das pessoas sobre a importância da doação. |MR

Mais matérias
desta edição