app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Cidades

Mortalidade infantil em Alagoas atinge n�vel do NE

Os dados divulgados esta semana pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sobre os índices de mortalidade infantil por cada região do País, mostram que o coeficiente no Estado de Alagoas atingiu a média da região Nordeste referente ao a

Por | Edição do dia 17/05/2002 - Matéria atualizada em 17/05/2002 às 00h00

Os dados divulgados esta semana pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sobre os índices de mortalidade infantil por cada região do País, mostram que o coeficiente no Estado de Alagoas atingiu a média da região Nordeste referente ao ano de 2000. Pelos números do IBGE, no ano de 1998 o índice de mortalidade infantil foi de 48,1 mortos por cada grupo de mil crianças nascidas vivas, enquanto que em Alagoas o coeficiente foi de 68,1/1.000 crianças. Em 2000, enquanto a região Nordeste registrou 44,2 mortes em cada mil crianças nascidas vivas, o índice em Alagoas foi 45,9/1.000. “Isso revela o esforço do governo estadual em priorizar uma política de saúde que contempla as camadas menos favorecidas”, ressaltou o secretário de Saúde, Álvaro Machado. Segundo ele, a principal estratégia é prestar uma assistência mais acessível à população alagoana através das equipes do Programa Saúde da Família (PSF) que consiste em acompanhar as gestantes nas consultas de pré-natal, referenciar a maternidade para o parto e, por fim, acompanhar o crescimento e o desenvolvimento das crianças. O secretário afirmou ainda que outro ponto fundamental que vem contribuindo para a redução da mortalidade infantil é o Programa Bolsa Alimentação, Instituído pelo governo federal para famílias com renda de até meio salário mínimo. Em Alagoas, o Programa já foi implantado em 12 municípios. Outra estratégia vitoriosa, segundo informou Álvaro Machado, é a implantação dos comitês municipais de redução e combate à mortalidade infantil e o comitê estadual. No Interior, os comitês já estão instalados em 96 municípios e realizam reuniões regulares para o acompanhamento e investigação dos casos de óbitos em menores de um ano e suas causas.

Mais matérias
desta edição