app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5749
Cidades

Proposta do governo � rejeitada por grevistas

Os servidores do Poder Judiciário Federal realizaram ontem uma assembléia, em frente ao prédio do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), e decidiram recusar a proposta apresentada pelo governo federal, na tentativa de pôr fim à greve da categoria. Eles

Por | Edição do dia 17/05/2002 - Matéria atualizada em 17/05/2002 às 00h00

Os servidores do Poder Judiciário Federal realizaram ontem uma assembléia, em frente ao prédio do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), e decidiram recusar a proposta apresentada pelo governo federal, na tentativa de pôr fim à greve da categoria. Eles também distribuíram bananas para demonstrar, de forma bem-humorada, a resposta que os servidores do Judiciário receberam do governo federal sobre suas reivindicações. Os servidores do Judiciário reivindicam, além de reposição das perdas salariais, uma revisão no Plano de Cargos e Carreiras para incorporação das gratificações aos salários. Segundo o coordenador geral do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário Federal, José Moraes Júnior, hoje quando os servidores da Justiça se aposentam, eles perdem o direito ao pagamento dessas gratificações. Só que o governo federal apresentou uma proposta reduzindo em 20% a tabela salarial proposta pela Federação Nacional dos Servidores do Poder Judiciário. Além de parcelar em quatro vezes o pagamento desse reajuste, com a primeira parcela apenas em fevereiro de 2003. Tendência Para José Moraes, a tendência é de crescimento do movimento grevista. Em Alagoas, 90% dos servidores das Varas da Capital do Tribunal Regional do Trabalho aderiram à paralisação. A adesão na sede do TRT foi de apenas 30%. Os funcionários da Justiça Federal e Tribunal Regional Eleitoral (TRE), apesar de também estarem engajados na luta pela modificação no Plano de Cargos e Carreiras da categoria e por reajuste salarial, não entraram em greve. No caso da Justiça Federal, o diretor do Fórum Federal em Alagoas, juiz Francisco Wildo, determinou o corte de ponto para os funcionários faltosos. Já os trabalhadores da Procuradoria Regional do Trabalho (TRT), segundo informação do Sindicato do Judiciário, decidiram, em assembléia setorial, aderir ao movimento grevista. Hoje, eles fazem ato público em frente ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Mais matérias
desta edição