app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Cidades

Dia de Iemanj� marcado por festa e protesto

MARCOS RODRIGUES Repórter Barra Nova - Adeptos da umbanda, religião secular que veio da África, realizaram ontem à tarde uma homenagem às divindades africanas Iemanjá (rainha do mar), Oxum (águas doces) e Nanã (que simboliza os mangues), numa

Por | Edição do dia 03/02/2006 - Matéria atualizada em 03/02/2006 às 00h00

MARCOS RODRIGUES Repórter Barra Nova - Adeptos da umbanda, religião secular que veio da África, realizaram ontem à tarde uma homenagem às divindades africanas Iemanjá (rainha do mar), Oxum (águas doces) e Nanã (que simboliza os mangues), numa ritual que uniu fé, história e devoção às margens da Lagoa Manguaba. O evento é tão signficativo para os integrantes que os principais terreiros da capital e do interior mandaram representantes. Depois de uma saudação, com música para cada uma, uma canoa conduzida por ogãs (representantes dos terreiros) foi utilizada para levar as oferendas. A saudação das Iabás (Festa da Mãe d’ Água), que ocorre sempre no dia 2 de fevereiro, foi liderada pela Mãe Netinha, 94, a representante mais antiga da cultura afro. Andando com dificuldade, amparada por filhos de sangue e da religião, ela permaneceu o tempo todo com semblante tranqüilo e sorridente para os que buscaram sua bênção. “Eu estou muito feliz por comemorar esse dia ao lado de todos que estão aqui. Desejo que isso aconteça todos os anos”, disse a mãe-de-santo. Sua luta, resistência e o trabalho com os terreiros do Estado, renderam à Mãe Netinha uma homenagem do maracatu Leões de Judá, de Olinda, Pernambuco. Netinha nasceu na umbanda, em 1912. Seus pais eram ogãns da Tia Marcelina, falecida no ano em que os terreiros passaram a ser perseguidos por determinação política do governador Fernandes Lima. Preconceito Por esta razão o ritual marca, também, a resistência dos seguidores que ao longo da história foram alvo de preconceito da sociedade, que não conhecia os elementos da manifestação religiosa. “Acho que isso vai mudar com a lei regulamentada pelo presidente Lula, que determina o ensino da nossa cultura nas escolas”, revelou Mãe Pequena, do Centro Espírita Palácio de Iemanjá. A criação do mucambo da Lagoa do Sul ajudará a contar detalhes da cultura afro. Segundo o pesquisador Volnei Rabelo, Alagoas tem condições de reverter esse quadro se conhecer os elementos da história. Por isso está empenhado em desenvolver o etnoturismo na região da Barra Nova. ### Ato reúne público eclético em praça A marca mais concreta do preconceito contra as religiões afro, em Alagoas, conhecida como o “Quebra de 1912”, foi relembrada no final da tarde de ontem, num ato que reuniu representantes de terreiros, militantes negros, grupos de capoeira, integrantes de bois de carnaval, estudantes e pesquisadores, na Praça 13 de maio, no bairro do Poço. Ao som de tambores africanos eles saíram em passeata para exigir respeito à liberdade de expressão. “Acredito que hoje estamos resgatando uma incoerência cometida pelos coronéis que, num gesto de ignorância, humilharam e espancaram lideranças religiosas por não concordar com suas crenças”, disse o antropólogo Edson Bezerra, um dos articuladores do ato. Ele relembra que, na época, a Guarda Civil chegou a expor publicamente pais e mães-de-santo na rua a fim de torturá-los. Como prova do envolvimento deles com a manifestação, às vezes, se utilizava um charuto aceso. “Se a pessoa estivesse incorporada não sentiria dor e seria liberada, caso contrário seria presa em uma cela especial”, acrescenta Edson. ESCOLHA Para não se submeter ao processo, Tia Marcelina, maior autoridade da umbanda, preferiu a morte. Com isso, na linha sucessória, Mãe Netinha assumiu a liderança natural dos terreiros alagoanos. Extinção Em Alagoas, a perseguição resultou no desaparecimento de todas as manifestações com base na cultura africana, a exemplo do maracatu. Surgiam, então, os chamados “xangôs rezados baixo”. A única autoridade a acompanhar todo o ato público realizado na Praça 13 de Maio foi o secretário municipal de Cultura, Marcial Lima, que pretende incluir a data no calendário de eventos da cidade. |MR

Mais matérias
desta edição