app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Cidades

D�bito tira acesso de produtor a cr�dito

| FERNANDO VINÍCIUS Repórter Maragogi - Agricultores de Maragogi estão impedidos de ter acesso às linhas de financiamento do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) por causa da falta de pagamento de empréstimos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agri

Por | Edição do dia 31/03/2006 - Matéria atualizada em 31/03/2006 às 00h00

| FERNANDO VINÍCIUS Repórter Maragogi - Agricultores de Maragogi estão impedidos de ter acesso às linhas de financiamento do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) por causa da falta de pagamento de empréstimos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). A inadimplência foi tema da reunião do Fórum Comunidade Ativa e atinge cerca de 30% dos pequenos produtores rurais que moram no município, mais conhecido por seu potencial turístico. “Para nosso constrangimento, não tivemos nenhum financiamento para Maragogi em 2005”, disse Maria Cristina, agente de desenvolvimento do BN no litoral norte alagoano sobre a linha de crédito Pronaf B, que disponibiliza até R$ 1 mil para pequenos agricultores. Além disso, a proposta do governo federal para renegociação dos débitos não está sendo bem-sucedida, admite. A avaliação é comprovada pelo presidente do FDLIS Comunidade Ativa, Pedro Jeová de Albuquerque. Ele disse que já conversou com produtores endividados, mas a maioria rejeita a renegociação, que inclui o perdão dos juros por atraso e parcelamento do saldo devedor. “Tem gente que estava devendo praticamente R$ 1.800 e se aceitasse os termos da renegociação reduziria a dívida para cerca de R$ 500, mas mesmo assim não assinou os papéis”, disse Albuquerque. Quem não aceitar a proposta deve ficar com débito entre R$ 2 mil e R$ 2.500, assim que o prazo for encerrado em maio deste ano. “Ou então morre com a dívida”, alertou Pedro Jeová. Mesmo assim, o nome continuará inscrito na lista de devedores das instituições federais, como Serasa e Cadim, o que inviabilizará, por exemplo, um pedido de benefício por parte da esposa do agricultor falecido que não quitou a dívida.

Mais matérias
desta edição