app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Cidades

Postos deixam faltar vacina contra rotav�rus

| FÁTIMA ALMEIDA Repórter A vacina contra o rotavírus passou a constar, desde ontem, no calendário obrigatório de vacinação para crianças com idade a partir de 1 mês e 15 dias até 5 meses e 15 dias, mas, em alguns postos, ela já está em falta. No posto

Por | Edição do dia 04/04/2006 - Matéria atualizada em 04/04/2006 às 00h00

| FÁTIMA ALMEIDA Repórter A vacina contra o rotavírus passou a constar, desde ontem, no calendário obrigatório de vacinação para crianças com idade a partir de 1 mês e 15 dias até 5 meses e 15 dias, mas, em alguns postos, ela já está em falta. No posto de saúde José Araújo, localizado no bairro do Jacintinho, chegaram dez doses na semana passada e ontem já tinham acabado. De acordo com a Secretaria Executiva da Saúde (Sesau), o estoque está preparado para atender à demanda, mas alguns postos ainda estão se organizando. Segundo a gerente de gestão de imunização da Sesau, Leila Morais, a meta da secretaria é vacinar 30.581 bebês este ano em Alagoas. “Isso dá pouco mais de duas mil e quinhentas vacinas por mês. Já distribuímos seis mil doses, só neste primeiro mês”, diz ela. Para Maceió, segundo Leila, a meta é vacinar 800 crianças por mês. Ela explicou que antes de iniciar a vacinação, a secretaria promoveu uma capacitação de agentes multiplicadores dos municípios e deu um prazo para que se organizassem, repassando as informações para os agentes que vão atuar na vacinação. “Acredito que muitos municípios e postos de saúde ainda estejam se organizando e se mobilizando para pegar a vacina”, diz ela. Semelhante à oferta, a procura também ainda é reduzida. De acordo com a enfermeira Fernanda Cristina, do posto de saúde José Araújo, as pessoas não demonstram conhecimento sobre a vacina contra a infecção causada pelo rotavírus, mas estão sendo orientadas sobre a necessidade de vacinar os bebês dentro do prazo. A dona-de-casa Maria Quitéria Araújo tomou conhecimento da vacina no próprio posto. Segundo ela, seu bebê, Daniel Felipe, de 2 meses e 4 dias, ainda não tomou a primeira dose, que deve ser administrada a partir dos 45 dias de vida, até os 3 meses e 7 dias. A segunda dose deve ser tomada num intervalo de 30 a 60 dias, até o limite de 5 meses e 15 dias A vacina é administrada por via oral e protege o bebê contra complicações diarréicas características do mal de rotavírus, que podem levar à desnutrição e desidratação da criança, até à morte. O rotavírus, eliminado em alta quantidade nas fezes de crianças infectadas, é transmitido pela via fecal-oral, por água ou alimentos, por contato pessoa a pessoa, objetos contaminados e, provavelmente, também por secreções respiratórias, mecanismos que permitem uma alta capacidade de alastramento dessa doença.

Mais matérias
desta edição