app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5710
Cidades

Grevistas da Justi�a Federal realizam bingo

Os servidores do Poder Judiciário Federal, em Alagoas, realizaram ontem, em frente à sede da Justiça Federal, na Serraria, um ato de paralisação temporária, por duas horas, com o objetivo de conseguir a participação de mais servidores no movimento que já

Por | Edição do dia 23/05/2002 - Matéria atualizada em 23/05/2002 às 00h00

Os servidores do Poder Judiciário Federal, em Alagoas, realizaram ontem, em frente à sede da Justiça Federal, na Serraria, um ato de paralisação temporária, por duas horas, com o objetivo de conseguir a participação de mais servidores no movimento que já acontece desde o último dia 15. A reivindicação principal da categoria é a revisão do Plano de Cargos e Salários, bem como a incorporação de alguns benefícios e gratificações que hoje são agregados ao salário, mas não são levados para a aposentadoria. “Também estamos brigando pela reposição das perdas salariais correspondentes aos oito anos de governo FHC”, explicou o coordenador-geral do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário Federal (Sindjus/AL), José Moraes. Hoje pela manhã, a partir das 9 horas, os servidores irão promover mais um ato de paralisação, em frente ao prédio da Vara de Trabalho da Capital, na Praia da Avenida, com a realização de um bingo cultural, onde haverá premiação com CDs e livros de cantores e autores alagoanos. Segundo Moraes, na Vara de Trabalho, 80% dos servidores já aderiram ao movimento. No Tribunal Regional Eleitoral (TRE/AL), os funcionários ainda não aderiram, mas o sindicato acredita que podem aderir. No período da tarde, às 14 horas, a categoria volta a se reunir em frente à sede da Justiça Federal, onde fará mais uma paralisação de duas horas. Desde o último dia 15, os servidores do Poder Judiciário vêm realizando, todos os dias, assembléias setoriais, que sempre deliberam pela greve. “A adesão ao movimento vem firmando a nossa luta. Por isso, avaliamos que o movimento está forte e deve conseguir mais adesões, principalmente porque o governo federal ainda não se pronunciou a respeito de nossas reivindicações”, ressaltou Moraes.

Mais matérias
desta edição