app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5655
Cidades

Uso de caixinhas de som nas praias divide opinião de banhistas

Pelo menos 23 cidades em dez estados do Brasil proíbem os aparelhos; Alagoas não possui legislação específica

Por ANNA CLÁUDIA ALMEIDA e ROGÉRIO COSTA* | Edição do dia 27/01/2024 - Matéria atualizada em 27/01/2024 às 04h00

Elas são populares, fáceis de transportar e, apesar de pequenas no tamanho, a potência surpreende. Para alguns, as caixinhas de som são sinônimo de diversão e ditam o ritmo deste programa preferido dos alagoanos: a praia. Para outros, no entanto, torna-se um incômodo. Para Fátima Regina, que busca tranquilidade à beira-mar, ouvir a música do vizinho de areia traz mais transtorno do que entretenimento.

O assunto é polêmico e tem motivado discussões em todo o Brasil. O uso dos aparelhos foi até proibido em diversos estados.

A alagoana, frequentadora assídua da orla de Maceió, diz que busca momentos de paz e descanso e se sente incomodada com o barulho desses equipamentos. “A gente trabalha muito e vem para a praia para descansar, buscar tranquilidade e muita gente traz essas caixinhas e isso me causa incômodo. Mesmo que seja a caixinha, daquelas bem pequenas, acaba saindo um som alto. A gente acaba nem conseguindo conversar direito. Ninguém é obrigado a ouvir o que o outro quer”, disse.

Já para o estudante Alesson Souza, uma música na praia anima a turma e não deveria ter sua utilização proibida. “Eu acho que não deveria ser proibido as caixas de som na praia. Sempre é bom estar com os amigos e ouvindo uma música, mas que tivesse uma limitação de volumes, porque muitas vezes o som está tão alto que não conseguimos conversar com quem está do lado. É só cada um se valer do bom senso”, disse o jovem.

Desde 2018, pelo menos 23 cidades em dez estados do Brasil vetaram o uso desses aparelhos de som. No entanto, os mutirões de apreensão do equipamento por guardas municipais ao longo da costa brasileira mostram que a caixinha não vai ser abandonada apenas em respeito às normas.

Em Maceió, nenhum Projeto de Lei (PL) foi aprovado na Câmara Municipal sobre o tema, segundo informou a assessoria de comunicação do Legislativo. Para que haja a proibição desses equipamentos, é necessário que algum vereador apresente o PL na Casa de Mário Guimarães, onde haverá a tramitação e, em caso de aprovação no parlamento, vai para sanção ou veto do prefeito.

O movimento anticaixinha ganhou força no Sudeste e no Sul. Desde o começo deste ano, por exemplo, fiscais retiraram 38 equipamentos nas areias do Guarujá, um dos principais points do litoral paulista — quem é flagrado pode ser multado em mais de R$ 1 mil. Um balanço divulgado pela prefeitura registrou ainda 484 advertências. No Rio, onde a restrição começou em janeiro de 2022, 48 equipamentos foram recolhidos em todo o ano passado. Na cidade, quem se recusa a desligar o som pode ser multado em um valor entre R$ 522 e R$ 5.221.

Se para alguns banhistas, a caixinha de som faria falta no momento de lazer, para o vendedor ambulante Olival Silva, retirá-lo dos produtos que comercializa iria prejudicar, e muito, o seu comércio. Elas variam entre R$ 70,00 e R$ 90,00 e sempre tem grande procura por quem frequenta as praias.

“A depender do dia, do movimento de banhistas, consigo vender até cinco equipamentos. Se houver mesmo essa proibição vai prejudicar o meu trabalho e também de outros ambulantes que precisam garantir sua renda. Também não vejo nenhum problema no som dessas caixinhas aqui na orla”, acrescentou o ambulante.

O debate sobre o assunto tomou conta das redes sociais do Portal Gazetaweb. Internautas opinaram sobre o possível veto. Muitos se posicionaram a favor da proibição, enquanto outros se mostraram contra, como foi o caso de Anderson Henrique. “Uma caixinha pequena, apenas ali do seu lado, numa praia, que é local aberto. Se for pequena, não vai atrapalhar ninguém. Agora, chega aquela galera que a caixa de som tem até uma rodinha pra poder puxar e quer ligar no volume máximo, lógico que vai ter alguém que vai se incomodar”, disse.

Para Sandra Amorim, por se tratar de um local público, a proibição deveria ocorrer. “O lugar é público e o seu direito termina quando o do outro começa. Ninguém é obrigado a escutar a playlist de ninguém, que na maioria das vezes é de péssimo gosto, e na maior altura”, disse. A mesma opinião é compartilhada pelo internauta Gustavo Rocha. “Em um país de terceiro mundo, onde o povo não tem educação e nem respeito ao próximo, só resolve desse jeito mesmo. Agora falta fazerem valer a Lei da Perturbação do Sossego nas casas de praia também”, acrescentou.

Mais matérias
desta edição