app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5751
Cidades

A escolha saudável para a saúde

Saiba mais sobre o composto químico usado na formulação de plásticos e no revestimento de embalagens

Por Carolina Sanches | Edição do dia 24/06/2024 - Matéria atualizada em 24/06/2024 às 18h25

/Camila Tenório diz que prefere produtos BPA Free

Você pode até não conhecer o bisfenol A, mas já deve ter visto em uma embalagem plástica ou anúncio de produtos o nome BPA Free. Trata-se de um composto químico usado na formulação de plásticos e no revestimento de embalagens metálicas, como latas de comida e bebida.

Estudos no exterior sugerem que, mesmo em quantidades pequenas, o BPA pode causar problemas neurológicos e hormonais. A médica endocrinologista Penélope Tabatinga explicou que o bisfenol A pode ser encontrado em produtos comuns de uso doméstico, como comidas enlatadas, como feijão, sopa e vegetais. Essa substância também é usada para fabricar vasilhas e copos plásticos.

Segundo a médica, pesquisas apontam que o componente tem similaridade com os hormônios femininos e da tireoide. “Estudos sugerem que, ao entrar em contato com o organismo humano, principalmente durante a vida intrauterina, a substância pode afetar o sistema endócrino, aumentando ou diminuindo a ação de hormônios naturalmente produzidos pelo corpo. Isso traz danos à saúde, como infertilidade, modificações do desenvolvimento de órgãos sexuais internos, endometriose e câncer. Há indícios de que esses compostos estejam relacionados também a problemas de tiroide, obesidade e diabetes”, expõe.

Penélope Tabatinga alerta que atividades comuns como reaquecer alimentos em recipientes plásticos no micro-ondas e armazenar garrafas de água dentro de um carro quente podem facilitar a contaminação. “Até alguns anos, muitos recipientes plásticos rígidos reutilizáveis, como garrafas de água, eram feitos de policarbonato e continham o BPA. Agora, produtos alternativos sem o composto químico, feitos de materiais diferentes, encontram-se à disposição e podemos identificar observando os rótulos das embalagens e alimentos onde estará escrito BPA-free (livre de BPA)”, orienta.

A especialista falou que vários estudos demonstram que mudanças básicas no estilo de vida, tais como a diminuição do uso de alimentos enlatados e de recipientes plásticos, além de outros industrializados, podem reduzir rapidamente os níveis do BPA no corpo humano.

CRIANÇAS E BEBÊS

Praticamente toda mãe ou pai já comprou ou ao menos conhece produtos livres de BPA. Com a Camila Tenório não foi diferente. “Antes de engravidar, eu já tinha uma noção sobre os riscos, mas confesso que não era algo que eu prestava muita atenção no dia a dia. Quando engravidei, comecei a me aprofundar mais nesse assunto e me preocupei bastante em garantir que as mamadeiras, chupetas e outros produtos para o bebê fossem livres de BPA”.

Para comprar os produtos, Camila pesquisou bastante. “Escolhi marcas confiáveis que ofereciam essa segurança. Até hoje, continuo atenta a esse fator”, conclui.

Mais matérias
desta edição