app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Cláudio Humberto

Confira os destaques da política nacional #CH13052020

.

Por Cláudio Humberto | Edição do dia 13/05/2020 - Matéria atualizada em 12/05/2020 às 22h01

Foto: Divulgação
 

PODER SEM PUDOR: Garantia de procedência

O ex-ministro Ronaldo Costa Couto relata histórias saborosas no notável “Brasília Kubitscheck de Oliveira” (Record, RJ, 399 págs). Nos anos escuros do regime militar, Frei Mateus Rocha, antigo vice-reitor da Universidade de Brasília, procurou a escritora Vera Brant com uma carta de Darcy Ribeiro. Estava encantado com “a maravilha” postada do exílio chileno, “carta linda, erudita, inteligentíssima!” Frei Mateus suplicou: “A senhora poderia lê-la em voz alta?” Ela reagiu com simpatia: “Claro que posso. Mas pra quê?” Ele se entregou: “Já tentei várias vezes e não entendi nada...” Vera deu risada. Era uma das poucas pessoas que decifravam a caligrafia ininteligível de Darcy.


Setor público devora um terço da riqueza nacional

O setor público brasileiro se tornou uma verdadeira máquina de consumir o dinheiro do pagador de impostos: a cada 3 reais arrecadados, um vai exatamente para bancar a máquina pública, tão cara quanto ineficiente, segundo o deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS). Ele alerta que a situação é grave e o custo só com salário dos servidores públicos cresceu em média 102% desde 2008 e já equivale a 13,6% do PIB.


Liderança do mal

Dados do Banco Mundial confirmam que o custo do funcionalismo no Brasil supera França, Portugal, Austrália, EUA e é o dobro do Chile.


Vergonha mundial

No Brasil, 80% dos trabalhadores no setor privado ganham até R$3 mil. No setor público, a média é quase o dobro do privado, que o sustenta.


Sem comparação

Estudo do partido Novo revela que o servidor federal ganha, em média, 105% a mais que profissional do setor privado com idêntica qualificação.


Por todo o país

A disparidade cai para 66% no âmbito estadual e torna-se aceitável apenas em nível municipal, onde os servidores ganham 7,5% mais.


Rápida, defesa de Moro plantou a primeira versão

Toda a “grande imprensa” foi usada com grande senso de oportunidade pela defesa do ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, que se antecipou e divulgou nota e vazou sua versão sobre a reunião ministerial de 22 de abril, vinculando-a à conclusão de que o vídeo “confirma” denúncias que o próprio Sérgio Moro não sustentou à Polícia Federal. A Bolsonaro restou correr atrás do prejuízo, em coletiva na rampa do Planalto.


Proteção física

Na rampa, o presidente disse que desde a facada teme pela segurança da família, e se referiu a essa proteção física, durante a reunião gravada.


Não são investigados

Adversários amam imaginar que Bolsonaro quis “intervir” em inquéritos da PF contra seus filhos, mas ele diz que nenhum deles é investigado.


É só de ouvir dizer

O fato é que o vídeo da reunião ministerial não foi visto por ninguém além de autoridades e da falante defesa do ex-ministro da Justiça.


Armação ilimitada

Alessandro Molon (RJ) fez dobradinha com Rodrigo Maia (RJ) para não votar a MP 910, que regulariza a situação de 4 milhões de produtores rurais. Para a dupla, é mais importante deixar caducar a MP só para alfinetar Bolsonaro do que resolver um problema que se arrasta há anos.


Truques & toques

Quando se lê “três pessoas que viram o vídeo” ou “fontes com acesso ao vídeo”, desconfie. Ou leia “defesa de Moro”. Espertos, os advogados saíram na frente da guerra de versões do “vazamento de interpretações”.


O sem-prestígio

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, soltou os cachorros contra Alexandre Baldy, secretário de Transportes Metropolitanos do governo João Doria, que alegou não ter sido informado do “super-rodízio” de carros. Covas atribui a desinformação de Baldy a seu “pouco prestígio”.


Assim é se lhe parece

O desmentido categórico do ex-diretor-geral da Polícia Federal Maurício Valeixo sobre “interferências” de Bolsonaro foi ignorado solenemente pelas manchetes desta terça (12). Já as especulações sobre o vídeo...


Inquéritos sem acesso

Maurício Valeixo contou em seu depoimento que a troca de direção na PF não permitiria o acesso ao inquérito 4781, que investiga ameaças a ministros do STF. “Inquéritos não passam pela direção da PF”, explicou.


Decreto só orienta

Advogado experiente, que chefiou a área jurídica do Planalto de Michel Temer, o ex-ministro Gustavo Rocha explica que o decreto de Bolsonaro sobre atividades essenciais não obriga, só orienta. “É um norte, serve para dar segurança jurídica a governadores que resolvam flexibilizar” diz.


Mais canos

O ministro Celso de Mello mandou transcrever todo o diálogo do vídeo de duas horas de reunião ministerial. Agora são duas as peças de provas do inquérito que investiga Bolsonaro e Moro que podem vazar.


Ele reapareceu

Geraldo Alckmin explica o sumiço por ser “preciso aceitar o resultado da eleição”, onde somou 4,7% dos votos. Médico, o ex-governador defende o isolamento e critica o governo, mas só no enfrentamento da Covid19.


Pensando bem...

...depois da coletiva na grade do Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro inaugurou a coletiva na rampa do Planalto.

ANA PAULA NUNES, diretora-geral da FACIMA e FAA-IESA, recebeu os parabéns pelo aniversário festejado ontem, 12 de maio
ANA PAULA NUNES, diretora-geral da FACIMA e FAA-IESA, recebeu os parabéns pelo aniversário festejado ontem, 12 de maio - Foto: Divulgação
 



Mais matérias
desta edição