app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Cláudio Humberto

Confira os destaques da política nacional #CH21052020

.

Por Cláudio Humberto | Edição do dia 21/05/2020 - Matéria atualizada em 20/05/2020 às 22h34

Foto: Divulgação
 

PODER SEM PUDOR: Tucano não perde a piada

Ao ser informado por um assessor que o então ministro de FHC José Serra estava a caminho do plenário, o saudoso deputado tucano Alberto Goldman (SP) deu de ombros. “Do jeito que a coisa está, prefiro ir para ali”, disse, apontado um grupo de petistas ilustres, como Paulo Delgado (MG). Aproximou-se dos parlamentares e afirmou, às gargalhadas: “Quero treinar para ser da base de sustentação do governo do PT!” Eram tempos em que PT e PSDB se revezavam no poder.


Frias fatura e Regina ganha Cinemateca quebrada

A atriz Regina Duarte descobriu amargamente que política e Brasília não são para principiantes. Após meses driblando armadilhas, cascas de banana e traições, ela desistiu quando viu o presidente Jair Bolsonaro achar graça no oferecido ator Mário Frias, que se confessou interessado em assumir a Secretaria de Cultura. Ninguém merece tanto bullying. Ela sai com a consolação de uma sinecura como dirigente da quebradíssima Cinemateca Brasileira, mantida pelo governo federal em São Paulo.


Uma má troca

A sinecura de Regina Duarte não é lá essas coisas: R$10,3 mil mensais, um quinto do salário que tinha Globo até assumir a Secretaria de Cultura.


Só para salários

O orçamento anual de R$12 milhões da Cinemateca é gasto em salários, água e energia. Não sobra para preservação do acervo, cafezinho, nada.


Gestão terceirizada

A gestão da Cinemateca foi terceirizada para uma Associação Roquette Pinto (Acerp), sucessora da extinta Fundação do mesmo nome.


Adivinha quem chegou?

O ator Mário Frias, que se ofereceu para assumir a Secretaria de Cultura, quer visitar a repartição nesta quinta (21). Vai encontrar o maior climão.


Clima no Planalto é de alívio com saída de Teich

Passados os primeiros dias após o pedido de demissão do ex-ministro da Saúde Nelson Teich, o sentimento no Palácio do Planalto é de claro alívio. A avaliação é que, apesar da sua seriedade e qualificação, Teich não conseguiu dominar de fato as atribuições de chefe do Ministério da Saúde. “Ele não estava confortável no cargo”, resumiu Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional, à Rádio Bandeirantes.


A ficha que não caía

Incomodava muito o Planalto a frase mais repetida por Nelson Teich durante suas coletivas: “Estou tentando entender o que acontece”.


Demissão ‘patriótica’

O general Heleno achou o pedido de demissão de Teich tinha a fazer de melhor. Ele elogiou o pedido de demissão, “honesto e patriótico”.


Demora ajuda Pazuello

A demora na escolha do novo ministro favoreceu a efetivação do interino general Eduardo Pazuello. É bom gestor e, sobretudo, bate continência.


Entre amigos

Vai fazer um ano no mês que vem o megajantar que Paulo Marinho ofereceu a João Doria, Joice Hasselmann, Henrique Meirelles, Gustavo Bebianno, poderosos advogados de Brasília e jornalista do grupo Globo.


Nem aí com o País

Sindicalistas dizem que o congelamento de salários é “punição” e que servidores são “bode expiatório”. Nem sequer se preocupam com o País quebrado, sem dinheiro para continuar pagando regalias e privilégios.


Baleia em campanha

Em campanha para a presidência da Câmara, o deputado Baleia Rossi (SP), presidente nacional do MDB, tem se aproximado de colegas das bancadas de esquerda. Seus aliados estão confiantes na candidatura.


Faça o que eu digo

João Doria criticou a cloroquina no protocolo do Ministério da Saúde: “a ciência não recomenda”. Mas o médico David Uip, de sua equipe, curou-se usando o remédio, que faz parte do protocolo do seu governo.


Campanha para chef

Como são gatos pingados no plenário, em razão de pandemia, o deputado Fábio Ramalho (MDB-MG), eterno candidato a presidente da Câmara, substituiu ontem seu tradicional leitão assado por doces.


Ramos não teve tempo

Fã e fiador da presença de Regina Duarte na Secretaria de Cultura, o general e ministro Luiz Eduardo Ramos (Governo) não teve tempo ontem de impedir a saída da atriz, que chegou cedo o suficiente no Alvorada.


Alô, Paulo Guedes

Se a preocupação do governo com economia é genuína, falta atenção com as pequenas empresas. Segundo o Sebrae, elas detêm 54% dos empregos e 80% não tiveram acesso a linhas de crédito na pandemia.


Vida nova

O mundo superou 2 milhões de pessoas curadas do coronavírus nesta quarta, mas ainda tem 2,7 milhões de pessoas doentes. A boa notícia fica por conta de que 98% delas apresentam apenas infecções leves.


Pensando bem...

...arrependimento não mata, mas garantiu cargo na Cinemateca.

VANINHA NUTELS, diretora da rede de óticas Flu Look, celebra o sucesso da campanha Movimento Flulook Pela Saúde Visual
VANINHA NUTELS, diretora da rede de óticas Flu Look, celebra o sucesso da campanha Movimento Flulook Pela Saúde Visual - Foto: Divulgação
 


Mais matérias
desta edição