app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5655
Cláudio Humberto

Confira os destaques da política nacional #CH21112023

.

Por Claudio Humberto | Edição do dia 21/11/2023 - Matéria atualizada em 21/11/2023 às 04h00

 

Foto: : Divulgação

PODER SEM PUDOR: Gelo de JK

No “palácio de tabuas” Catetinho, recém-construído, JK se reunia com jornalistas, engenheiros, arquitetos (como Niemeyer e o jovem repórter Murilo Melo Filho, da Manchete), que sorviam uísque quente no copo. Não tinha gelo porque não havia energia em Brasília, cuja construção se iniciava. JK lamentou: “Não gosto de uísque, mas sei que uma pedrinha de gelo aí nos copos seria muito bem-vinda...” Mal acabou a frase, desabou uma chuva torrencial, com pedras de granizo. E todos, felizes como crianças, aparavam as pedrinhas de gelo que caíam lá no céu, em atendimento ao pedido do presidente JK.

Lula é dos maiores derrotados com vitória de Milei

As interferências de Lula (PT) na campanha presidencial argentina o transformaram em um dos maiores derrotados pelo libertário Javier Milei, domingo (19). O petista transferiu caminhões de recursos para bancar projetos do governo, representando “dinheiro na veia” da campanha eleitoral, além de haver promovido factoides, visitando Buenos Aires sem agenda que o justificasse, ou recebendo o presidente atual e Sergio Massa, seu candidato, mais vezes que a maioria dos próprios ministros.


Brigada de mentiras

Para sacramentar seu envolvimento na campanha, Lula ainda designou os seus três marqueteiros de 2022 para fazerem a campanha de Massa.


Campanha suja

Os marqueteiros fizeram a campanha mais suja de que se tem notícia na Argentina, adotando estratégia de ódio semelhante à do Brasil.


Estratégia do ódio

Os marqueteiros do PT tentaram vender a ideia, como no Brasil, de que o adversário Javier Milei era “ameaça à democracia”.


Lorota prevaleceu

A forte interferência brasileira fez Milei reagir duramente, chamando Lula de “ladrão” e o incluindo entre os comunistas dos quais quer distância.


Revés

A deputada Adriana Ventura (Novo-SP) já prevê revés para o governo Lula com a vitória de Milei na Argentina: “menos um roteiro internacional para Janja esbanjar com cartão corporativo da Presidência”, diz.


Instituições fortes

Instituições fortes estão na Argentina: nem mesmo a escassez de escrúpulos no governo de Alberto Fernandez, que colocou toda a máquina pública a serviço do seu candidato, impediu a vitória de Milei.


Lá e cá

O observador Ciro Nogueira (PP-PI) avalia que a Argentina “disse não ao PT de lá” ao eleger o libertário Javier Milei presidente. “Governar para um partido e não para o país tem limite”, diz o senador.


Pensando bem...

...os argentinos fizeram lembrar como é saudável a disputa política sem censura ou interferências judiciais que sempre beneficiam um dos lados.


ONGs faturam alto no ministério de Anielle Franco

O Ministério da Igualdade Racial reservou, este ano, mais de R$ 10,1 milhões destinados às contas de instituições privadas, sem fins lucrativos. Boa parte do dinheiro é fruto de emendas parlamentares. O valor supera R$ 8 milhões anunciados pela ministra deslumbrada Anielle Franco, nesta segunda (20), para o suposto atendimento psicossocial de mães e familiares vítimas de violência. Só em julho e agosto, a grana reservada quase alcança todos os recursos anunciados, R$ 6,3 milhões.


Dinheiro ao vento

Cursinho pré-Enem recebeu R$ 1,2 milhão e um grupo de capoeira angolana levou R$ 329 mil para participar de um festival em BH.


Esperteza antiga

Já um pedido da deputada Talíria Petrone (Psol-RJ) fez a pasta separar R$ 300 mil para o projeto “multiplicando saberes ancestrais” (sic).


Gastam sem dó

A gastança rola solta não só com ONGs. Diárias e passagens somam quase R$ 1,7 milhão. Sem contar as decolagens da FAB com a ministra.


Governador turista

Chamado pela população de governador turista, Rafael Fonteles (PT) está (outra vez) longe do Piauí, que o elegeu para governar. Agora, ele está Bruxelas, na Bélgica, mas antes deu uma paradinha na Croácia.


Ódio faz vítima

No dia que se revelou que há mais de mil dias 27 casos envolvendo políticos corruptos dormitam nas gavetas do STF, morreu na Papuda o empresário Clériston Cunha, do DF, preso no 8 de Janeiro. Laudos atestavam comorbidade grave, mas o STF o manteve na Papuda.


Sem processo legal

A morte do pai de família Clériston Cunha revoltou políticos. O senador Hamilton Mourão (Rep-RS) atribuiu a morte ao “absurdo da ausência do devido processo legal” e disse ser “preciso uma investigação minuciosa”.


Contrário de reforma

Warren Buffet brasileiro, Luiz Barsi criticou a reforma tributária: “Ao invés de atrair investimentos para o país, vamos fazer com que saiam”, avalia. “Vai virar um lugar em que não vai ter emprego para ninguém.”


Cid petista

A filiação do senador Cid Gomes (CE) ao PT, que até a última semana era negada com veemência por José Guimarães, conterrâneo e líder do governo Lula na Câmara, já é dada como certa no Estado.

Mais matérias
desta edição