app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5647
Cláudio Humberto

Confira os destaques da política nacional #CH11012024

.

Por Claudio Humberto | Edição do dia 11/01/2024 - Matéria atualizada em 11/01/2024 às 04h00

 

Foto: divulgação
PODER SEM PUDOR: O código de Nabuco

Feito embaixador em Bruxelas, nos anos 60, o ex-deputado Cirilo Júnior achava que o esperavam apenas os prazeres da vida, mas logo percebeu que havia deveres, quase sempre chatíssimos. Um assistente contou que um antigo embaixador, Maurício Nabuco, batia três vezes sobre a perna quando queria encerrar uma audiência maçante. Ao receber diretores da Vasp, Cirilo imitou Nabuco, mas os interlocutores nem percebiam o “código”. Impaciente, ele foi aumentando a força das pancadas até que se viu esmurrando a própria perna e gritando “Nabuco! Nabuco!” Os visitantes foram embora, assustados, e o embaixador comemorou com o assistente:

- Esse Nabuco é formidável!

Ação do PCdoB no STF mirou boquinha na CBF

A súbita preocupação do PCdoB que levou o partido a acionar o Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir Ednaldo Rodrigues no comando da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) mirou outro nome: Alcino Reis Rocha. Alcino é ligado aos comunistas, que bancaram a indicação para o posto de secretário-geral da CBF, e, inclusive, fez doações para candidatos do partido nas eleições de 2006 e 2014. Rocha é ligado ao deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP).

Vem comigo

Quando Orlando Silva virou o titular da pasta do Esporte (2006-2011), carregou Alcino para a chefia do gabinete, onde ficou por 11 meses.

Braço direito

Homem de confiança de Orlando Silva e com moral no PCdoB, Alcino chegou a ser ministro interino em 2006, o “upgrade” durou um mês.

Cai todo mundo

O rolo que derrubou Ednaldo, após ação do Ministério Público do Rio de Janeiro, acabou levando Alcino na esteira do afastamento.

Desculpa perfeita

Para garantir Ednaldo na CBF, o PCdoB alegou risco de o Brasil ficar de fora do torneio pré-olímpico. O STF reempossou Ednaldo e Alcino.

Iminente saída de Capelli azeda clima entre PSB e Lula

A quase sacramentada nomeação de Ricardo Lewandowski como substituto de Flávio Dino no Ministério da Justiça tem, há dias, piorado o clima de insatisfação no PSB com os cortes que o presidente Lula tem feito em espaços do partido. Os socialistas mapearam que, confirmada a posse, Lewandowski não deve manter Ricardo Cappelli como secretário executivo. Para o PSB, aceitar o rebaixamento não está entre as opções.

O cotado

O nome para a vaga de Cappelli seria o de Manoel Carlos de Almeida Neto, que assessorou Lewandowski por 10 anos no Supremo.

Planos futuros

O PSB não quer diminuir a exposição midiática de Cappelli. Quer o nome em evidência para pleitear uma vaga no Legislativo pelo Distrito Federal.

Tesouradas

A ira no PSB nasce com o rebaixado de Márcio França, enfiado no Ministério de Micro e Pequena Empresa. Piora ao perder a vaga de Dino.

Amigo é tudo

Amicíssimo da primeira-dama Janja, o influenciador Murilo Ribeiro Pereira, o Muka, garantiu um belo lugar ao sol na EBC. Desde 21 de setembro de 2023 ocupa cargo com salário de quase R$ 18 mil.

Silêncio

Eder Mauro (PL-PA) notou falta de manifestação pró-ianomâmis após registro de morte dos indígenas subir 50% no primeiro ano do governo Lula, “esquerda calada. Genocídio do bem?”, questiona o deputado.

STF e Vaccari

O desmonte da Lava Jato no STF segue a todo vapor. João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do PT, se livrou de pena de 24 anos de prisão após condenação por falcatrua nas eleições de 2010. O processo foi anulado.

Sem tensionar

Ao menos publicamente, Ricardo Cappelli tem disfarçado sobre eventual saída do Ministério da Justiça, dada como certa. A quem pergunta sobre o assunto, o secretário executivo diz que não está procurando emprego.

Produção em baixa

A produção de veículos sofreu um baque em dezembro passado e amargou redução de 15,3% quando comparado com novembro. A queda atingiu carros, caminhões e ônibus. No ano, a redução foi de 1,9%.

Pegou mal

Com a repercussão negativa, Rodrigo Pacheco não deve esperar o fim do recesso para dar fim na Medida Provisória que reonerar a folha de pagamento. A expectativa é que o texto desapareça ainda em janeiro.

Agora vai?

Cresce no Senado movimento para andar com o projeto que endurece as “saidinhas” para criminosos. A expectativa é de que o texto volte a tramitar ainda neste primeiro semestre.

Pensando bem...

...Marta saiu do PT, mas o PT não saiu de Marta.

Mais matérias
desta edição