app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Coluna Religião

----------DORES DE JESUS------------

...

Por Mons. Pedro Teixeira Cavalcante/Teólogo | Edição do dia 19/11/2022 - Matéria atualizada em 19/11/2022 às 04h00

Segundo as Escrituras, Jesus veio ao mundo igual a nós em tudo, exceto o pecado. Assim sendo, ele nasceu, sofreu e morreu. Na sua vida terrena, Ele teve fome e sede, sentiu tristeza, alegria e muitas dores. Dores de várias espécies. Aqui, vamos recordar as dores física, moral, psicológica e espiritual.

Jesus sofreu tantas dores físicas que é chamado o homem das dores. Basta olhar sua paixão e crucificação. Fome, sede, tapas, pregos nos punhos ou nas mãos, flagelação, coroação de espinhos e morte dependurado numa cruz. Foi dor tão grande, que só um homem extraordinário pôde suportar. Por isso, o autor sagrado registrou: “Não vos comove isto a todos vós que passais pelo caminho? Olhai e vede se há dor igual a minha dor, que veio sobre mim, com que o Senhor me afligiu, no dia do furor da sua ira.” (Lam 1,12). 

Pior do que a dor física foi a dor moral sofrida por Jesus. Basta citar como exemplo a coroação de espinhos. Colocaram na cabeça de Jesus uma coroa para lembrar que ele dissera que era rei, mas, por zombaria e sarcasmo, foi uma coroa de espinhos. A dignidade real de Jesus é levada à lama! Durante toda sua vida, Jesus sofreu muitas espécies de dor moral, como incompreensões, perseguições, um criminoso é preferido a ele para ser absolvido e tudo terminou com uma morte de cruz, considerada a mais desprezível de todas e, como se não bastasse, ele foi crucificado entre dois malfeitores. Durante o tempo pregado na cruz, foi insultado o tempo todo com palavras injuriosas e provocantes. 

Uma terceira espécie de dor sofrida por Jesus foi a dor psicológica. Ele era perfeito, psicologicamente bem harmonizado, mas isto não o impediu de sofrer a solidão. Solidão com o abandono dos apóstolos, a ponto de lhes reclamar: “Sinto uma tristeza mortal! Ficai aqui e vigiai comigo! Ele foi um pouco mais adiante, caiu com o rosto por terra e orou. Quando voltou para junto dos discípulos, encontrou-os dormindo. Abandono, que foi ao extremo, quando veio do seu Pai divino: “Pelas três horas da tarde, Jesus deu um forte grito: Eli, Eli, lamá sabactani?, que quer dizer: Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?” (Mt 26,47). 

Mas, não menos profunda  foi a dor espiritual de Jesus. Ele, o Caminho, a Verdade e a Vida, “veio para o que era seu, mas os seus não o receberam” (Jo 1,11). 

Os sofrimentos de Jesus são para nós consolo, força, confiança, porque em qualquer sofrimento em que estejamos, sabemos que Jesus também sofreu e sofreu muito, e ele nos deixou este recado: “No mundo tereis aflições. Mas tende coragem! Eu venci o mundo!”. (Ji 16,33b).

Mais matérias
desta edição