app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5710
Economia

Falta de milho deixa avicultor apreensivo

Hoje é comemorado o Dia Nacional do Avicultor. Mas, pelo menos em Alagoas, os produtores de ovos e de aves não têm muito a festejar. O momento, para o setor, é de muita expectativa por causa da alta do dólar, que interfere diretamente na formação de custo

Por | Edição do dia 28/08/2002 - Matéria atualizada em 28/08/2002 às 00h00

Hoje é comemorado o Dia Nacional do Avicultor. Mas, pelo menos em Alagoas, os produtores de ovos e de aves não têm muito a festejar. O momento, para o setor, é de muita expectativa por causa da alta do dólar, que interfere diretamente na formação de custos da avicultura e da escassez do milho. “O milho nunca foi tão caro”, desabafa o secretário geral da Associação dos Avicultores de Alagoas (Avisal), Aluisio Righetti. Ele relata que há um mês a saca de milho era vendida a R$ 18,50 e hoje chega a R$ 20,50. “E o que é pior, os estoques do governo só dão para mais cinco semanas”, revela, apreensivo. “O milho representa 60% da ração. Estamos esperando a safrinha de Alagoas e a safrinha do Centro Sul para ver se os preços caem ou pelo menos se estabilizam”, completa. A alta do milho é resultado da excassez do produto no mercado nacional. O farelo de soja, outro importante componente da ração, também teve alta considerável. Só que em função da disparada do dólar. Hoje a tonelada de soja custa R$ 690,00. Seu preço, há um mês, era de R$ 560. “As embalagens também aumentaram 22% de um mês para outro”, diz Righetti. Crescimento Não fossem as preocupações decorrentes dos problemas de mercado, os avicultores de Alagoas estariam em situação melhor. Os produtores locais, mesmo enfrentando dificuldades como a falta de matéria-prima (milho e soja), conseguiram aumentar a participação no mercado e hojerespondem por 50% da produção de frangos de corte, com 250 mil aves por semana e 65% da de ovos, com 2,4 mil caixas por dia. Para continuar crescendo, Righetti aponta a necessidade de manutenção do trabalho de fiscalização de produtos importados de outros Estados, iniciado recentemente, e o incentivo à produção local de grãos, além de incentivos para o setor.

Mais matérias
desta edição