app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Economia

Maceioense utiliza FGTS para quitar suas d�vidas

O maceioense está utilizando o dinheiro do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para quitar suas dívidas no comércio, conforme informações da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL). O pagamento da dívida está sendo facilitado pelos comerciantes, que,

Por | Edição do dia 08/09/2002 - Matéria atualizada em 08/09/2002 às 00h00

O maceioense está utilizando o dinheiro do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para quitar suas dívidas no comércio, conforme informações da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL). O pagamento da dívida está sendo facilitado pelos comerciantes, que, na maioria das vezes, tiram os juros e as multas para facilitar a vida do consumidor. Os economistas aconselham aos consumidores que paguem a dívida em uma só parcela, evitando uma nova rolagem do débito. “Muitos comerciantes estão, inclusive, dividindo a quitação da dívida em três vezes. Mas o ideal é que se pague o débito de uma vez”, orientou o economista e assessor de imprensa da CDL, Jair Barbosa. Segundo ele, os comerciantes estão optando por acordo devido à importância de resgatar compradores em potencial, ainda mais agora às vésperas dos meses de pico de vendas no comércio. “O movimento nas lojas deve aumentar a partir do mês de outubro”, ressalta Jair Barbosa, acrescentando que a alta nas vendas segue até o período natalino, em dezembro. Além do FGTS, os consumidores devem utilizar também o 13o  salário e a restituição do Imposto  de Renda para quitar seus débitos  no comércio. Para os que estão com o nome na lista do SPC – Serviço de Proteção ao Crédito – basta apenas pagar a dívida que o nome fica “limpo” automaticamente. “Os consumidores precisam se dirigir ao SPC com a identidade e CPF para saber em que estabelecimento está devendo. Ele então deve ir à loja e negociar a dívida com o comerciante”, explicou o economista, ressaltando que a própria CDL está realizando campanhas de convocação aos inadimplentes para negociar o débito com o comércio varejista.

Mais matérias
desta edição