app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Economia

D�lar fecha em alta de 1,13% em dia de muitos rumores

Na véspera do aniversário de um ano dos atentados terroristas contra os Estados Unidos, uma forte onda de incerteza e especulações levaram o dólar a fechar em alta. Ontem, rumores eleitorais e temores de um ataque ao Iraque contribuíram para a expressiva

Por | Edição do dia 11/09/2002 - Matéria atualizada em 11/09/2002 às 00h00

Na véspera do aniversário de um ano dos atentados terroristas contra os Estados Unidos, uma forte onda de incerteza e especulações levaram o dólar a fechar em alta. Ontem, rumores eleitorais e temores de um ataque ao Iraque contribuíram para a expressiva valorização da moeda norte-americana. O dólar encerrou cotado a R$ 3,137 para venda, com alta de 1,13%. Na máxima do dia, a moeda foi cotada a R$ 3,157 e a mínima, a R$ 3,105. No ano, o dólar acumula valorização de 35,51%. “Em função do 11 de setembro, todo mundo quis ficar comprado, pois na pior das hipóteses você já está com dólar na mão”, afirmou um operador de corretora paulista. Um outro operador de corretora localizada em São Paulo confirmou este movimento “especulativo” gerado pelos temores e incertezas que a data representa. “A véspera do 11 de setembro cria um clima favorável à especulação”, completou o operador. A busca por dólar foi impulsionada pelo vencimento de dívidas. “Havia uma forte pressão compradora por parte de dois grandes bancos estrangeiros. Um deles, inclusive, estaria comprando para pagar uma dívida no exterior”, afirmou um operador de câmbio de um banco de médio-porte em São Paulo. Para Rodrigo Trotta, diretor da área de câmbio do Banco Banif-Primus, o principal fator de estresse no câmbio nessa terça-feira foi a possibilidade de ataque ao Iraque. “Rumores do início de uma guerra contra o Iraque puxaram esta alta. Não acredito que a valorização foi gerada pelo 11 de setembro ou por rumores de fortalecimento do Lula”, ponderou Trotta.

Mais matérias
desta edição