app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5709
Economia

Taxa de juros do Brasil � a maior, pelo 2� m�s

A taxa de juros real do Brasil, aquela que desconta a inflação, continuou liderando o ranking das mais altas do mundo no mês de agosto. Em julho, a taxa brasileira havia ultrapassado a da Polônia pela primeira vez desde julho de 2000 e, no mês passado, co

Por | Edição do dia 18/09/2002 - Matéria atualizada em 18/09/2002 às 00h00

A taxa de juros real do Brasil, aquela que desconta a inflação, continuou liderando o ranking das mais altas do mundo no mês de agosto. Em julho, a taxa brasileira havia ultrapassado a da Polônia pela primeira vez desde julho de 2000 e, no mês passado, continuou ampliando a diferença. O ranking, elaborado mensalmente pela consultoria Global Invest, mostra que o Brasil se manteve em primeiro lugar apesar da queda dos juros reais dos 10,3% ao ano registrada em julho para os 10,1% de agosto. Na Polônia, a taxa real caiu de 9,5% ao ano (julho) para 8,9% em agosto. De acordo com a Global Invest, a permanência do Brasil no topo do ranking foi resultado dos juros nominais acumulados em 12 meses (18,35%) e da taxa de inflação, que foi de 7,46% no cálculo do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). No relatório, a Global Invest destaca, ainda, que, apesar da leve queda dos juros em agosto, a tendência da taxa real de juros é de alta. O motivo é a trajetória de queda do IPCA no acumulado dos últimos 12 meses e o elevado nível das taxas de juros nominais. Para setembro, a projeção da consultoria é de uma pequena queda do juro real, para 10,01% ao ano. No entanto, a partir do segundo trimestre os juros deverão retomar o processo de alta, atingindo 10,46% em outubro, 10,66% em novembro e 11,03 em dezembro. O relatório da Global Invest informa, também, que, ao longo dos 42 meses em que a pesquisa é realizada, o Brasil é o único país que esteve sempre entre os quatro primeiros colocados no ranking. Segundo a consultoria, a taxa de juro real brasileira é cinco vezes maior do que a taxa média praticada pelos 23 países emergentes analisadas.

Mais matérias
desta edição