app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Economia

Recursos do Prodetur II devem ser liberados a partir de janeiro

Fortaleza - Técnicos do Banco do Nordeste e de 11 Estados, que serão beneficiados pelo  Prodetur/NE II, passaram em  revista, na última sexta-feira, 11,  em Fortaleza, os pontos principais do programa, com o objetivo de acelerar sua operacionalização, a p

Por | Edição do dia 13/10/2002 - Matéria atualizada em 13/10/2002 às 00h00

Fortaleza - Técnicos do Banco do Nordeste e de 11 Estados, que serão beneficiados pelo  Prodetur/NE II, passaram em  revista, na última sexta-feira, 11,  em Fortaleza, os pontos principais do programa, com o objetivo de acelerar sua operacionalização, a partir do começo do  próximo ano. O evento seqüencia a assinatura do contrato no valor de US$ 240 milhões entre o Banco do Nordeste e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), no último dia 27, em Washington. Nele foram discutidos entraves e soluções e elaborada uma agenda de compromissos, visando à consolidação da parceria entre o banco e os Estados na execução do Prodetur/NE II. O programa prevê investimentos globais da ordem de US$ 800 milhões em duas etapas de US$ 400 milhões, cada. Participaram do encontro, além de representantes do Banco do Nordeste e de secretarias de Turismo, os coordenadores das unidades executoras estaduais, responsáveis pela implementação do Prodetur/NE. A expectativa dos dirigentes do Banco do Nordeste é de que os primeiros contratos com os Estados sejam realizados em janeiro próximo, depois de cumpridas as condições estabelecidas pelo BID para os desembolsos, dentre as quais se destacam a elaboração do Plano de Desenvolvimento Integrado de Turismo Sustentável (PDITS) e a instalação dos conselhos de cada pólo a ser beneficiado pelos recursos do programa. A primeira etapa do Prodetur II corresponde a recursos no montante de US$ 400 milhões, dos quais US$ 240 milhões financiados pelo BID, através do Banco do Nordeste, e o restante, US$ 160 milhões, representando a contrapartida nacional a cargo da União, governos estaduais e até do setor privado. A segunda fase do programa será do mesmo valor e com igual distribuição de responsabilidades, totalizando, assim, US$ 800 milhões para a melhoria do turismo regional.

Mais matérias
desta edição