app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5710
Economia

Com�rcio teme perder vendas de fim de ano

O aumento da cotação da moeda americana pode estragar a festa de fim de ano do comércio, que nesse período registra um aumento considerável nas vendas. Nem a injeção de recursos que vem acontecendo no mercado por conta do pagamento de salários atrasados

Por | Edição do dia 13/10/2002 - Matéria atualizada em 13/10/2002 às 00h00

O aumento da cotação da moeda americana pode estragar a festa de fim de ano do comércio, que nesse período registra um aumento considerável nas vendas. Nem a injeção de recursos que vem acontecendo no mercado por conta do pagamento de salários atrasados do funcionalismo público estadual, além do 13o salário até o final de dezembro, deve reverter essa situação. Em todo o País, as empresas estão entrando no último trimestre do ano, período que seria de maior movimentação na economia, em compasso de espera. A variação do dólar paralisou as negociações sobre as encomendas de Natal entre a indústria e o setor varejista. A maioria dos pedidos foi adiada para depois do segundo turno eleitoral. Euforia “Estamos vivendo esse momento sem euforia”, frisa o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Wilson Barreto. Ele diz que o comércio irá aguardar passar o segundo turno da eleição presidencial para ver como fica a especulação cambial, que provoca a alta do dólar. “A nossa preocupação decorre das incertezas que vive a economia nacional”, afirma. Para se ter uma idéia de como a especulação com o dólar atinge o comércio, Barreto lembra que as vendas no setor caíram em setembro 13% em relação a agosto deste ano. “Nesse período houve também um ingresso de novos recursos no mercado por conta do pagamento das perdas salariais do FGTS; mas no entanto, as vendas apresentaram queda”. Segundo o presidente da CDL, a subida do dólar prejudica toda a cadeia produtiva, que deixa de importar alguns produtos que têm os preços encarecidos. “O comércio é a ponta de lança do sistema varejista, que também é afetado pela alta da cotação da moeda americana. Já estamos fazendo das tripas coração para aumentar nossas vendas; afinal precisamos sobreviver”, diz. O pagamento de salários atrasados dos servidores podem aquecer as vendas no comércio, segundo Barreto. “Qualquer injeção de recursos melhora a situação, mas existem ainda incertezas com relação ao que vai acontecer até o final do ano, porque não existe apenas o fator eleitoral, como também o possível ataque dos Estados Unidos contra o Iraque, guerra que certamente irá provocar uma nova subida do preço do petróleo”, comenta.

Mais matérias
desta edição