app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5710
Economia

Ap�s elei��es, gasolina ter� reajuste autom�tico

A Petrobras deverá retomar a política de reajustes periódicos dos combustíveis (com prazos não inferiores a 15 dias) após as eleições. A expectativa é do ministro Francisco Gomide (Minas e Energia). Segundo ele, há uma “correlação espúria” entre as e

Por | Edição do dia 15/10/2002 - Matéria atualizada em 15/10/2002 às 00h00

A Petrobras deverá retomar a política de reajustes periódicos dos combustíveis (com prazos não inferiores a 15 dias) após as eleições. A expectativa é do ministro Francisco Gomide (Minas e Energia). Segundo ele, há uma “correlação espúria” entre as eleições e o aumento do preço dos combustíveis. Ele explicou que o fato de dois eventos terem uma correlação “não quer dizer que eles tenham uma relação de causa e efeitos”. Entre os eventos que estariam dependendo da eleição, que estariam correlacionados, Gomide citou a estabilidade cambial e o reajuste dos preços dos combustíveis, mas que a retomada da política de reajustes pela estatal “não quer dizer que seja uma medida eleitoreira”. O ministro explicou que a Petrobras está adotando uma política “conservadora” e “prudente” para a fixação dos preços dos combustíveis, decorrente da dificuldade de converter os preços internacionais em dólares para valores em reais “num momento em que o País está sofrendo um ataque especulativo”. Gomide considerou que a retomada da fórmula de repasse dos preços internacionais como vinha sendo feito logo que o mercado de combustíveis foi liberado seria uma “política transparente de preços”. Para o ministro, a retomada dessa política “será também lógica dentro de um mecanismo transitório”. Gomide descartou ainda a possibilidade de influência ainda maior das cotações internacionais do petróleo devido à possibilidade de guerra contra o Iraque. Segundo ele, a história tem mostrado que quando o barriu do petróleo chega aos US$ 30 não teria mais para onde subir. Citando um executivo da Petrobras, ele disse que “desafortunadamente a guerra está no preço. Se haverá ou não a guerra não tem mais conseqüência”, afirmou.

Mais matérias
desta edição