app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5714
Economia

Exporta��o de a��car ser� recorde pelo 3� ano

EDIVALDO JUNIOR Pelo terceiro ano consecutivo, Alagoas vai quebrar o seu próprio recorde de exportação de açúcar. A expectativa do setor sucrolacooleiro do Estado é de embarcar, a partir do Porto de Maceió, pelo menos 1,4 milhão de toneladas do produ

Por | Edição do dia 20/10/2002 - Matéria atualizada em 20/10/2002 às 00h00

EDIVALDO JUNIOR Pelo terceiro ano consecutivo, Alagoas vai quebrar o seu próprio recorde de exportação de açúcar. A expectativa do setor sucrolacooleiro do Estado é de embarcar, a partir do Porto de Maceió, pelo menos 1,4 milhão de toneladas do produto até o fim da safra 02/03, iniciada em setembro. Confirmada a projeção, a indústria sucroalcooleira ala-goana aumentará o volume de vendas para o mercado externo em mais de 5%, em relação à safra anterior. Nos últimos dois anos da safra, a exportação foi de respectivamente 1,2 milhão e 1,3 milhão de toneladas. O Estado, revela o presidente do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool (Sindaçúcar), Jorge Toledo, sempre teve tradição exportadora. “Alagoas consome apenas 5% da cana-de-açúcar que produz”, explicou. “Todo o restante da produção é vendido para o mercado interno ou para o externo”. Nos últimos anos, as indústrias do setor no Estado apostaram ainda mais nas vendas para o mercado internacional e as exportações praticamente dobraram de volume desde o início dos anos 90. Aquecimento Os embarques de açúcar começaram pelo Porto de Maceió desde o início do mês. E a expectativa é de que as vendas se aqueçam mais até o fim do ano, com o final da safra paulista de cana-de-açúcar. “O mercado mundial apostou numa supersafra de açúcar no Centro-Sul do País. Como essa previsão não se confirmou, os preços começaram a reagir e também nosso interesse em vender no mercado internacional”, disse Jorge Toledo Até agosto os preços do açúcar na Bolsa de Nova Iorque estavam abaixo de seis centavos de dólar por libra peso – atualmente, a cotação está acima dos sete centavos de dólar ou o equivalente a US$ 157, no fechamento de sexta-feira. Mantida essa cotação e com dólar acima de R$ 3,80, o faturamento da indústria sucroalcooleira alagoana com as exportações pode ultrapassar a casa dos R$ 800 milhões, segundo cálculos de técnicos do setor. Álcool Apesar dos preços cada vez mais convidativos do mercado externo, o setor sucroalcooleiro de Alagoas assegura que vai continuar mantendo como prioritária a produção de álcool para o mercado interno. “Vamos garantir o pleno abastecimento de álcool. Temos plena consciência de que é muito mais significativo para a indústria sucroalcooleira assegurar o pleno abastecimento de álcool do que aumentar as exportações. Vamos exportar mais porque a safra será maior, mas em nenhum momento o abastecimento interno, seja de açúcar, seja de álcool, será prejudicado”, assegurou Jorge Toledo. A safra 2002/03, segundo o Sindaçúcar, deve atingir a produção de 25 milhões de cana-de-açúcar.

Mais matérias
desta edição