app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Economia

Bovespa tem alta de 11,4% em 4 dias

A Bovespa emplacou a quarta alta consecutiva, acumulando 11,48% nesse período. É a sequência de maior ganho do mercado paulista este ano. Ontem o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo encerrou com valorização de 2,22%, aos 9.331 pontos, na má

Por | Edição do dia 23/10/2002 - Matéria atualizada em 23/10/2002 às 00h00

A Bovespa emplacou a quarta alta consecutiva, acumulando 11,48% nesse período. É a sequência de maior ganho do mercado paulista este ano. Ontem o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo encerrou com valorização de 2,22%, aos 9.331 pontos, na máxima do dia. Com esse resultado, o Ibovespa acumula ganhos de 8,2% no mês e reduz as perdas acumuladas no ano para 31,27%. O mercado paulista descolou das Bolsas americanas, que fecharam em baixa. O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, caiu 1,03%, e a Bolsa eletrônica Nasdaq perdeu 1,29%. Segundo um operador, os investidores não duvidam mais da vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no próximo dia 27. A dúvida é: por quantos votos o petista se elegerá presidente da República. Rural O produtor brasileiro vai contar com uma bolsa específica para comercializar seu produto. Trata-se da Bolsa Brasileira de Mercadorias (BBM) que começou a operar ontem. A BBM é resultado da fusão de seis bolsas de mercadorias regionais - Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e Uberlândia e nasce com a participação majoritária da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), que detêm 55% do seu patrimônio. A solenidade de lançamento da BBM contou com a participação do ministro da Agricultura, Marcus Vinícius Pratini de Moraes, e do vice-presidente de Agronegócios do Banco do Brasil, Ricardo Conceição. Na BBM o produtor comercializará, prioritariamente, produtos físicos no mercado à vista. Ele também terá a opção de negociar no mercado de opções ou a termo, comprometendo-se a entregar determinado produto na data combinada. O Banco do Brasil funcionará como liquidante da operação.

Mais matérias
desta edição