app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Economia

PIB cai 0,69% no trimestre e sobe apenas 1,5% no ano

Rio - O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu  1,51% em 2001 ante o ano de  2000. O crescimento foi inferior  ao registrado em 2000, que foi de 4,36%. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o crescimento do ano passado

Por | Edição do dia 01/03/2002 - Matéria atualizada em 01/03/2002 às 00h00

Rio - O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu  1,51% em 2001 ante o ano de  2000. O crescimento foi inferior  ao registrado em 2000, que foi de 4,36%. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o crescimento do ano passado foi resultado da expansão do setor de agropecuária (+5,11%) e de serviços (+2,52%). O PIB da indústria apresentou retração de 0,58% no período puxada pelas reduções nos serviços industriais de utilidade pública (-5,49%) e construção civil (-2,62%). Houve crescimento no PIB industrial no segmento de extrativa mineral (+3,44%) e na de transformação (+0,58%). O PIB teve ainda impacto positivo dos impostos sobre produtos, que cresceram 0,81% em 2001. Redução A queda de 5,48% no PIB da indústria foi a principal responsável pela redução de 0,69% no PIB do País no quarto trimestre de 2001, ante igual período de 2000. Foi a primeira queda registrada no PIB trimestral desde o terceiro trimestre de 1999 na comparação com igual período do ano anterior. A queda na indústria atingiu todos os sub-setores: extrativa mineral (-4,05%), transformação (-3,36%), serviços industrial de utilidade pública (-14 69%) e construção civil (-8,29%). Foram registradas expansões no quarto trimestre nos setores de agropecuária (+9,92%) e nos serviços (+1,75%). Outra contribuição para a queda do PIB no pe-ríodo foi a redução de 3,81% nos impostos sobre produtos. O IBGE divulgou ainda que houve uma queda de 1,67% no PIB no quarto trimestre de 2001 ante o trimestre anterior. Nessa base de comparação, houve queda no PIB da indústria (-1,59%) e de serviços (-0,16%). A agropecuária registrou expansão de 3,21%.

Mais matérias
desta edição