app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5729
Economia

Cr�dito on-line atrai investidores

São Paulo – A escassez de crédito e a escalada da taxa de juros estão abrindo espaço, no Brasil, para um mercado que, lá fora, virou um fenômeno: o de empréstimos on-line para pessoas físicas e empresas. Só no ano passado, nos EUA, duas das principais pla

Por | Edição do dia 31/05/2015 - Matéria atualizada em 31/05/2015 às 00h00

São Paulo – A escassez de crédito e a escalada da taxa de juros estão abrindo espaço, no Brasil, para um mercado que, lá fora, virou um fenômeno: o de empréstimos on-line para pessoas físicas e empresas. Só no ano passado, nos EUA, duas das principais plataformas de crédito on-line movimentaram US$ 5,98 bilhões em empréstimos. No Brasil, o modelo de negócio já começa a atrair os primeiros empreendedores e investidores. Uma das últimas a estrear no mercado foi a plataforma Biva, idealizada pelo advogado Paulo David, de 26 anos, e pelo administrador financeiro Eduardo Teixeira, de 22 anos. A empresa, ainda uma startup, tem o aval do fundo de investimento Vox Capital, de Antonio Moraes Neto, herdeiro do Grupo Votorantim, e do fundo argentino KaszeK Ventures, dos fundadores do Mercado Livre. Nos últimos três meses, a Biva realizou cerca de 40 empréstimos, conectando, on-line, pequenas e médias empresas a investidores pessoa física - modelo de negócio que é inédito no Brasil, conhecido por peer-to-peer lending, ou empréstimo de pessoa para pessoa. No mercado de crédito on-line, entretanto, a empresa não está sozinha. O Simplic, correspondente bancário da financeira Sorocred, oferece crédito on-line para pessoas físicas desde julho de 2013. E a plataforma Geru, correspondente bancária do Banco Bracce, também iniciou sua operação em março deste ano. O escritório de advocacia Pinheiro Neto está assessorando mais sete grupos de investidores que querem atuar nesse ramo aqui no País. “A tecnologia está mudando a economia como um todo, e também o sistema bancário”, diz o sócio do escritório, Bruno Balduccini.

Mais matérias
desta edição