app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5729
Economia

Primeiro empr�stimo � pago em quatro vezes

Era hora de Davi assinar a carta de alforria, juntou dinheiro e fez seu investimento inicial: duas cestas de palha para levar todo o doce que a esposa fazia em casa. O primeiro empréstimo foi de R$ 300, pelo Crediamigo, para pagar em quatro vezes. Cícera

Por | Edição do dia 31/05/2015 - Matéria atualizada em 31/05/2015 às 00h00

Era hora de Davi assinar a carta de alforria, juntou dinheiro e fez seu investimento inicial: duas cestas de palha para levar todo o doce que a esposa fazia em casa. O primeiro empréstimo foi de R$ 300, pelo Crediamigo, para pagar em quatro vezes. Cícera comprou panelas, um tacho e não parou mais. Aumentou o peso da responsabilidade, “Davi Doceiro” tinha de vender toda a mercadoria para pagar as frutas, o leite, o açúcar, os potes de plástico, as contas de casa e ainda ter o dinheiro de devolver ao banco. Era preciso uma atitude radical para vencer. “Eu peguei o par de bolsas novas, subi na linha da Usina Ouricuri e fui para Maceió. Não conhecia nada lá e me perdi, passei o dia perdido, na Colina, para sair na Bomba do Gonzaga. Fui de porta em porta, pedindo a Deus para achar a Fernandes Lima”, lembra Davi. E o pior, não vendeu nada. “Levei o peso e voltei para casa com o mesmo peso dos doces”. Lamentou, mas não desistiu, voltou no dia seguinte e começou a ampliar a clientela. Hoje sua rota engloba Atalaia, Marechal Deodoro, Massaguera, Barra Nova e vários pontos de Maceió, como Gruta, Avenida Rotary, Jardim Acácia, Via Expressa e Serraria. CRIATIVIDADE A expansão das vendas esbarrou na fabricação limitada por falta de estrutura e exigiu criatividade. O Nêgo Bom se tornou um dos produtos mais procurados, vendia uma média de 15 pacotes por dia, mas sua linha de produção era lenta e penosa. Davi saía para visitar os clientes às 6h da manhã e quando voltava, à noite, passava cerca de quatro horas mexendo o doce no tacho. “Tinha de ser com uma colher de pau imensa, do tamanho de um remo”, lembra. Sem condições para comprar uma máquina industrial para o Nêgo Bom, a família se uniu para construir uma. As habilidades metalúrgicas de um irmão de Davi foram cruciais na montagem da engenhoca feita com uma engrenagem de caminhonete D-20 e transmissão feita pelo cardin, dentro do diferencial do eixo. A mesma tração exercida nas rodas de um veículo serviu para fazer girar o tacho.

Mais matérias
desta edição