app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5730
Economia

AL demite 26,8 mil pessoas no 1� semestre

Alagoas fechou 26.829 postos de trabalho com carteira assinada, nos seis primeiros meses do ano, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados na sexta-feira, 17, pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O número cor

Por | Edição do dia 19/07/2015 - Matéria atualizada em 19/07/2015 às 00h00

Alagoas fechou 26.829 postos de trabalho com carteira assinada, nos seis primeiros meses do ano, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados na sexta-feira, 17, pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O número corresponde à diferença entre admissões e demissões do período e significa uma retração de 7,29% em relação ao primeiro semestre do ano passado. Somente em junho, foram eliminados no Estado 1.646 empregos formais – a maioria deles (758) no setor de construção civil. O setor de serviços aparece em segundo lugar no ranking das demissões, com a retração de 399 postos, seguido da Indústria de Transformação, com 328 vagas a menos. É o pior resultado para o mês de junho desde 2003, quando o MTE iniciou a série histórica de medição de emprego. Em junho, a capital alagoana foi o município que mais fechou postos de trabalho com carteira assinada (1.335). Em seguida, aparecem Campo Alegre, com menos 113; São Miguel dos Campos (-113), Marechal Deodoro (-102) e Rio Largo (-101). Na outra ponta do ranking, Arapiraca apresentou desempenho positivo, com a criação de 106 vagas de emprego. Em segundo lugar, aparece Santana do Ipanema, com a criação de 43 postos, seguido de Pilar (9). De todos os municípios com população acima de 30 mil habitantes, Girau do Ponciano foi o único que teve desempenho neutro no mês: contratou 7 profissionais, mas demitiu 7. O desempenho negativo de Alagoas em junho acompanha a tendência nacional de queda no número de trabalhadores com carteira assinada. Segundo os dados do Caged, no mês de junho o Brasil fechou 111.199 vagas formais de emprego, o pior resultado para o mês da série histórica, iniciada em 1992. O cadastro mostra que no mês passado houve 1.453.335 admissões e 1.564.534 demissões. As informações são da Agência Estado.

Mais matérias
desta edição