app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Economia

Estado inicia ano com fechamento de 1,94 mil postos de trabalho

Depois de registrar o fechamento de 4.707 postos de trabalho com carteira assinada em 2015 – uma retração de 1,28% em relação ao estoque de emprego do ano anterior – Alagoas iniciou o ano com a extinção de 1.942 vagas com carteira assinada, segundo dados

Por | Edição do dia 27/02/2016 - Matéria atualizada em 27/02/2016 às 00h00

Depois de registrar o fechamento de 4.707 postos de trabalho com carteira assinada em 2015 – uma retração de 1,28% em relação ao estoque de emprego do ano anterior – Alagoas iniciou o ano com a extinção de 1.942 vagas com carteira assinada, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados divulgados ontem, pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). O saldo alagoano em janeiro é a diferença entre as 8.285 contratações e os 10.227 desligamentos ocorridos no mês. Segundo o Caged, o desempenho de Alagoas em janeiro – que registrou uma retração de 0,52% em relação a dezembro de 2015 – é resultado do declínio do emprego principalmente nos setores na Indústria de Transformação (que eliminou 2.567 postos) e Comércio (com a extinção de 743 vagas) cujos saldos mais que superaram a expansão do emprego nos Serviços, que abriu 1.182 postos de trabalho com carteira assinada. Em janeiro, Maceió puxou para baixo o desempenho do Estado, com o fechamento de 765 vagas formais – resultado da diferença entre as 4.457 admissões e os 5.222 desligamentos. Na outra ponta, o município de Arapiraca foi responsável pelo maior número de criação de vagas em Alagoas, com 1.356 novas contratações – a diferença entre as 2.094 admissões e as 738 demissões. BRASIL Em nível nacional, o País registrou em janeiro a extinção de quase 100 mil postos, número ainda pior que o dado já ruim de janeiro do ano passado, quando ficou negativo em 81,7 mil vagas. O resultado, fruto de 1,2 milhão de admissões e de 1,3 milhão de desligamentos, é o pior para o mês desde 2009, quando houve forte impacto da crise internacional na economia brasileira. Naquele ano, por exemplo, o saldo de empregos em janeiro foi de menos 101,7 mil postos. Apesar do resultado negativo, os números vieram melhores em relação ao que esperavam os analistas do mercado, que tinham projeções ainda mais pessimistas. No levantamento feito com 22 instituições financeira pela divisão de setores, o comércio foi responsável pela maior parte do encerramentos de empregos com carteira assinada no mês passado. No total, foram fechadas 69,8 mil vagas, fruto de 286,5 mil admissões e 356,3 mil desligamentos.

Mais matérias
desta edição