app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5716
Economia

Cesta Gazeta fica apenas 0,48% mais barata na quinzena

Continuando com a tendência da quinzena anterior o preço da Cesta Gazeta caiu 0,43%, percentual pequeno considerando o aumento de 3,87% verificado em janeiro. Mantida a tendência, em alguns meses a Cesta Gazeta voltará ao seu preço básico da primeira quin

Por | Edição do dia 09/03/2002 - Matéria atualizada em 09/03/2002 às 00h00

Continuando com a tendência da quinzena anterior o preço da Cesta Gazeta caiu 0,43%, percentual pequeno considerando o aumento de 3,87% verificado em janeiro. Mantida a tendência, em alguns meses a Cesta Gazeta voltará ao seu preço básico da primeira quinzena de 2002, mas pode ocorrer um novo aumento e mais uma vez o consumidor poderá ser penalizado. Esta quinzena tanto a Cesta Gazeta quanto a Cesta Básica Alimentar (governamental) apresentaram queda. Os dados coletados pelo Gape apontam recuo em 22 produtos entre 38 pesquisados. No Mercado da Produção, local onde grande parte da população ainda realiza as suas compras semanais de produtos de primeira necessidade, onze itens tiveram seus preços reajustados para menos. Segundo os dados do Gape, os cereais, as carnes, as frutas, os legumes, os derivados do leite e os produtos diversos foram os setores onde mais se apresentaram os pequenos reajustes de preços que fizeram a valor da Cesta Gazeta recuar. Com essa nova mudança, a Cesta Gazeta passa a apresentar um valor médio de aquisição da ordem de R$ 90,90. A Cesta Básica (governamental) teve um recuo significativo, comparada com a Cesta Gazeta e agora está com valor 1,73% menor do que o da quinzena anterior. Além do aumento de preços, o consumidor continua enfrentando nesta quinzena a falta de vários produtos em diversos estabelecimentos. Essa ausência de produtos inclusive tem prejudicado a comparação dos preços médios da Cesta Gazeta por estabelecimento. Na relação de produtos e preços coletados pelo Gape, e publicada nesta edição, é possível a visualização do que está em falta por ponto-de-venda. É necessário, portanto, que o consumidor fique atento para esse fato quando fizer a sua escolha quanto ao local onde irá se abastecer.

Mais matérias
desta edição