Nº 4227
Economia Mar Vermelho é uma das cinco cidades que deixariam de existir com a PEC federal

Mar Vermelho quer seguir como "Suiça Alagoana"

Gestores do município de Mar Vermelho prometem resistir e lutar contra a PEC federal

Os 3.514 habitantes de Mar Vermelho não aceitam voltar a ser povoado do município de Anadia, depois de 57 anos de emancipação. A prefeita Juliana Almeida (MDB) e o vice-prefeito André Almeida (PSD) não abrem mão da cidade se manter como “a Suíça de Alagoas”, por causa das baixas temperaturas no inverno que atraem turistas do Nordeste e de outras regiões do País.

Eles prometem resistir, lutar contra a PEC federal e cobram apoio dos outros prefeitos, das bancadas federal e estadual contra o projeto de Bolsonaro. “A proposta de acabar com os pequenos municípios mexe com os empregos, a história, a cultura das cidades e da nossa a Suíça nordestina. Não vamos aceitar uma coisa dessa”, desabafou a prefeita.

Como a maioria dos colegas gestores de cidades com menos de cinco mil habitantes, Juliana Almeida também tem como principal receita o FPM. Mas garante que as contas públicas estão equilibradas e os pagamentos ocorrem em dia. Ela acredita que o projeto não deve se aprovado no Congresso Nacional porque faltou diálogo com os gestores e com a população. “Reconhecemos o momento difícil do País. A extinção das prefeituras não resolve o problema”, frisou.

Na página oficial da prefeitura Juliana Almeida manifesta o seu propósito como gestora. “Entrei na carreira política em busca da realização de um sonho. O sonho de uma cidade melhor, mais justa, onde todos usufruam de seus direitos, tenham um emprego digno e acesso aos serviços básicos de qualidade. A cada dia enfrento uma nova batalha na busca incansável da realização deste sonho”. Afirma ainda que “o momento é de deixar de lado partidos políticos e buscar o bem comum”

DESENVOLVIMENTO

O vice-prefeito André Almeida destaca em sua página oficial da prefeitura que Mar Vermelho é um município em pleno desenvolvimento. “Estamos todos empenhados na realização de ações que melhorem as condições presentes e atendam às necessidades de melhor qualidade de vida para todos”.

Mais matérias
desta edição