app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5716
Economia

Petrobras aumenta g�s de cozinha em 14,5%

A Petrobras informou, nesta  quinta-feira, 21, que o GLP (gás  de cozinha) vendido em botijões  terá reajuste de 14,5% em suas refinarias a partir de 1º de abril. O impacto para os consumidores residenciais deve ficar em torno de 12%. Esse é o segundo r

Por | Edição do dia 23/03/2002 - Matéria atualizada em 23/03/2002 às 00h00

A Petrobras informou, nesta  quinta-feira, 21, que o GLP (gás  de cozinha) vendido em botijões  terá reajuste de 14,5% em suas refinarias a partir de 1º de abril. O impacto para os consumidores residenciais deve ficar em torno de 12%. Esse é o segundo reajuste do gás de cozinha desde que o mercado de combustíveis foi liberado, em janeiro. Na época, os preços subiram 20%. A Petrobras alega que a elevação dos preços se deve à alta da cotação do petróleo e desses derivados no mercado internacional. A estatal anunciou também um aumento de preços do óleo combustível, utilizado pelas indústrias. O produto terá um reajuste de 15,4% nas refinarias já no próximo dia 25. Impacto A decisão da Petrobras de reajustar em 14,5% o preço do botijão de gás vai representar um impacto de 0,24 ponto percentual na taxa de inflação, devido ao peso do produto no cálculo do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Isto poderá provocar uma pausa na trajetória de queda da taxa de juros, segundo previsão do economista-chefe do BicBanco, Luiz Rabi. “O clima para a inflação já começa a se mostrar desfavorável em abril”, diz o economista. Em abril, porém, a inflação deverá subir substancialmente. Além dos reajustes nos preços do GLP e da gasolina, neste mês estão previstos reajustes contratuais nas tarifas de energia elétrica de várias regiões metropolitanas que entram no cálculo do IPCA, como Recife, Fortaleza, Belo Horizonte, Salvador e Porto Alegre. Esses reajustes, que levam em consideração o comportamento do Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M) e do dólar nos últimos 12 meses, devem ficar próximos a 14%, segundo projeção da analista Marcela Prada, da Tendências Consultoria.

Mais matérias
desta edição