app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Economia Em todo o País, segundo o INSS, 35,8 milhões de pessoas receberão o benefício de maio

SEGUNDA PARCELA DO 13º DO INSS INJETA QUASE R$ 270 MILHÕES EM AL

Somando-se ao pagamento do mês de maio, parcela extra paga aos alagoanos soma R$ 868 milhões

Por Carlos Nealdo | Edição do dia 22/05/2020 - Matéria atualizada em 21/05/2020 às 20h31

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) inicia na próxima segunda-feira (25), o pagamento da segunda parcela do 13º salário de aposentados e pensionistas. Em Alagoas, 420,3 mil pessoas terão direito ao benefício, perfazendo um total de R$ 269,7 milhões. Somando o valor da segunda parcela do 13º com o pagamento do benefício de maio, o montante destinado aos beneficiários alagoanos este mês atinge R$ 868 milhões. Em todo o País, segundo o INSS, 35,8 milhões de pessoas receberão seus benefícios de maio. O pagamento injetará R$ 71,5 bilhões na economia. Desse total, 30,8 milhões de beneficiários receberão a segunda parcela do 13º, o equivalente a R$ 23,8 bilhões. O maior volume de pagamento da segunda parcela do décimo ficará com os beneficiários de São Paulo, que receberão R$ 6,8 bilhões. Em seguida aparecem os aposentados e pensionistas de Minas Gerais, com R$ 2,5 bilhões, Rio de Janeiro (R$ 2,4 bilhões) e Rio Grande do Sul (R$ 1,9 bilhão). Já os menores volumes da segunda parcela foram destinados aos aposentados e pensionistas de Roraima, que receberão R$ 20,1 milhões, Amapá (R$ 24,3 milhões) e Acre (R$ 42,2), todos na região Norte. Em nota, o INSS informou que por lei, tem direito ao 13º quem, durante o ano, recebeu benefício previdenciário de aposentadoria, pensão por morte, auxílio-doença, auxílio-acidente ou auxílio-reclusão. "Na hipótese de cessação programada do benefício, prevista antes de 31 de dezembro de 2020, será pago o valor proporcional do abono anual ao beneficiário. Nesta parcela, vale lembrar, é feito o desconto do Imposto de Renda", informa o órgão. O pagamento acontece entre a segunda-feira (25) e 5 de junho. Para saber o dia do pagamento, é preciso verificar o número do benefício. Cada benefício pago pelo INSS é composto por uma numeração única e segue um padrão de 10 dígitos no seguinte formato: Número do Benefício (NB): 999.999.999-9. No fim do mês passado, o governo federal estabeleceu que os beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que recebem por meio de cartão magnético poderão solicitar a transferência do pagamento do benefício para depósito em conta-corrente. A solicitação pode ser feita apenas por meio do aplicativo ou do site Meu INSS. A autorização para mudança de modalidade está prevista na Portaria 543/2020, publicada na quarta-feira (29 de abril) no Diário Oficial da União, e vale enquanto durar a situação de risco à saúde pública decorrente da pandemia do novo coronavírus no país. A medida visa evitar o deslocamento dos cidadãos aos bancos. Para fazer a solicitação, o beneficiário precisa ter o login e senha do Meu INSS, para que o procedimento seja feito mediante autenticação do usuário. A conta-corrente cadastrada deve ser feita no nome do titular do benefício. Além disso, não será necessária a autenticação da documentação apresentada no momento do requerimento. A antecipação do pagamento do 13º salário dos beneficiários do INSS foi anunciada pelo Ministério da Economia em abril deste ano, como forma de minimizar os impactos da pandemia do novo coronavírus para a população. Foram as primeiras decisões tomadas pelo grupo de monitoramento dos impactos econômicos da pandemia de Covid-19. O colegiado foi instituído pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, com o objetivo de acompanhar a conjuntura e propor medidas para mitigar os efeitos econômicos do avanço da infecção no país. O grupo é constituído por representantes de todas as secretarias especiais da pasta, sob a coordenação do secretário-executivo, Marcelo Guaranys. O colegiado monitora as áreas fiscal, orçamentária, crédito, gestão pública, questões tributárias, setor produtivo, relação federativa, trabalho e previdência. "A gente tem grandes preocupações com cadeias produtivas, verificar o que está sendo desabastecido, o que precisa de auxílio, por exemplo, com produtos hospitalares, se precisa de alguma facilidade para desembaraço aduaneiro, se precisa de alguma redução de tarifa de exportação, que medida precisa ser adotada a cada momento necessário. Estamos acompanhando, obviamente, os indicadores da economia e a necessidade de remanejamento de orçamento", afirmou na época Marcelo Guaranys, ao comentar sobre como o grupo deve atuar. As informações são da Agência Brasil.

Mais matérias
desta edição