app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Economia

ESTUDO DA CADEIA DO TURISMO ATESTA POTÊNCIA DA CAPITAL

.

Por Tatianne Brandão e Thiago Gomes | Edição do dia 16/10/2020 - Matéria atualizada em 15/10/2020 às 19h53

O lançamento do Estudo da Cadeia do Turismo Alagoano 2019 reuniu ontem representantes do Sebrae-AL (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Alagoas), ABIH/AL (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Alagoas) e do Maceió Convention & Visitors Bureau (MC&VB), no hotel Best Western Premier. O levantamento foi desenvolvido numa parceria destas instituições envolvidas com o propósito de obter uma visão mais ampla da cadeia turística do Estado, o impacto na geração de renda, impostos e empregos, proporcionando a busca de ações de desenvolvimento mais assertiva para o setor. O presidente da ABIH/AL, André Santos, informa que o estudo foi elaborado em 2019 e reúne informações da capital e, também, do interior do Estado, destacando que Maceió tem a maior relevância turística em relação aos demais municípios. “Isso veio comprovar que o nosso setor tem um peso muito grande na capital, sendo a hotelaria o maior arrecadador para o município de Maceió por causa do ISS (Imposto Sobre Serviços”. Ele acrescenta que o estudo acaba sendo importantíssimo para os empresários deste setor, sobretudo pelo foco no setor econômico. “Eles podem saber qual município está contratando mais, qual deles está abrindo mais empresas no setor. Com isso, a gente tem o caminho que o empresário e o setor estão focando no estado de Alagoas”. O público-alvo do estudo são os empresários da área privada e do governo. “É importante que o governo tenha esses dados nas mãos para saber dar valor à contribuição de impostos que pagamos, em relação a investimento em divulgação e destino. O que é melhor para o cidadão é melhor ainda para o turista”.

NECESSIDADE

Para o diretor de Relação Institucional da ABIH/AL, Milton Vasconcelos, havia uma necessidade de quantificação do turismo no Estado, levando-se em consideração que o setor lida com proporção no dia a dia. O levantamento surge, neste contexto, para responder a estas e outras questões de interesse da classe. “A partir do estudo, poderemos saber onde estamos, onde queremos chegar e saber ler esses números para transformá-los em ações”, ressalta.

Mais matérias
desta edição