app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Economia

MACEIÓ É APONTADA COMO POUCO EFICIENTE PELO DATAFOLHA

Capital alagoana aparece Maceió aparece em 3.272º lugar em Ranking de Competitividade entre os municípios brasileiros

Por Carlos Nealdo e Hebert Borges | Edição do dia 21/11/2020 - Matéria atualizada em 20/11/2020 às 19h38

De acordo com os organizadores, do Ranking de Competitividade, o levantamento tem o objetivo de mostrar como a competição no setor público é um elemento fundamental à promoção da justiça, equidade e desenvolvimento econômico e social dos municípios para garantir serviços públicos de mais qualidade à população. “Depois de nove edições do Ranking de Competitividade dos Estados decidimos ampliar a análise competitiva da gestão pública também para a esfera municipal. Os recém-eleitos podem obter um amplo mapeamento dos desafios, direcionando, de forma mais precisa, a atuação das lideranças municipais para planejamento e atuação para aquilo que é prioritário. Na outra ponta, além de atrair novas empresas, também é uma ferramenta para cidadãos avaliarem e cobrarem de forma eficiente o desempenho dos formuladores de políticas públicas”, afirma Tadeu Barros, diretor de Operações do CLP. Esta não é a primeira vez que Maceió aparece com resultados ruins em ranking de competitividade entres os municípios brasileiros. No ano passado, um levantamento elaborado pelo Datafolha revelou que Maceió foi considerada pouco eficiente no Ranking de Eficiência dos Municípios. O estudo, que leva em conta indicadores de saúde, educação e saneamento para calcular a eficiência da gestão, apresenta dados de 5.281 municípios, ou 95% do total de 5.569. Em nível nacional, Maceió aparece em 3.272º, com nota 0,430. Numa escala de 0 a 1, só 24% das cidades ultrapassam 0,50 e, por isso, podem ser consideradas eficientes, explica o Datafolha. Em nível local, a capital alagoana aparece em 56º lugar, atrás de municípios como Satuba, o melhor colocado no Estado, com nota 0,548, Maribondo (0,547) e Barra de São Miguel (0,543). De acordo com o levantamento, a capital alagoana gasta apenas 15% dos recursos com educação - um dos componentes do ranking. O percentual é menos da metade da média nacional de 32%. Na saúde, outro componente, Maceió obteve nota 0,264, contra 0,500 da média nacional. O Datafolha explica que os municípios - muitos deles em crise - espelham também alguns dos principais desafios do país, como o crescimento do gasto público, a dependência de verbas federais, a perda da dinâmica da indústria e a ascensão do agronegócio. O ranking conta com 13 municípios alagoanos com índice de eficiência. Além de Satuba, Maribondo e Barra de São Miguel, que lideram a lista, estão nessa categoria as cidades de São Miguel dos Milagres, Paulo Jacinto, Pilar, Coqueiro Seco, Batalha, Messias, Palmeira dos Índios, Matriz de Camaragibe, Boca da Mata e Piaçabuçu.

Mais matérias
desta edição