app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Economia Banco do Brasil anuncia o fechamento de 361 agências, inclusive em Alagoas

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE AL REPUDIA PLANO DE DEMISSÃO DO BB

Entidade não confirma fechamento nem sabe apontar número de agências locais a serem fechadas

Por Clariza Santos | Edição do dia 13/01/2021 - Matéria atualizada em 12/01/2021 às 20h20

O Banco do Brasil (BB) anunciou a abertura de dois Programas de Demissão Voluntária (PDVs) com a previsão de adesão de cerca de 5 mil funcionários e o fechamento de 361 agências, inclusive, em Alagoas. Apesar da informação oficial, o Sindicato dos Bancários do estado não confirma o fechamento nem sabe apontar o número exato de agências que venham a fechar as portas. De acordo com o presidente da categoria, Márcio dos Anjos, a decisão merece repúdio. “A respeito do nosso posicionamento, somos radicalmente contra qualquer medida que venha a trazer prejuízos ao país, a sociedade, ao banco e aos bancários, e essa ‘restruturação’ traz tudo isso. Como somos uma categoria de âmbito nacional, faremos todas as ações necessárias seguindo um cronograma nacional”. Márcio dos Anjos explicou que a diminuição do quadro de funcionários e o fechamento de agências trazem precariedade nos serviços. “A sociedade é penalizada, e acaba ganhando força a ideia da privatização”. Uma articulação nacional, por sua vez, já teve início entre os sindicatos, visando amparar os servidores. Conforme a nota da instituição, o número de adesões e o impacto financeiro serão informados ao mercado econômico e aos clientes após o encerramento dos períodos de adesão ao programa, que ocorrerá até 5 de fevereiro. Em ambos os programas, a adesão é voluntária e de caráter pessoal. Os incentivos variam de acordo com as condições estabelecidas por programa e pelas condições de cada funcionário. Como a Gazeta de Alagoas mostrou na edição desta segunda-feira (11), o Banco do Brasil aprovou um conjunto de medidas que diminuem sua estrutura organizacional com fechamento de pontos de atendimento e programas de demissão voluntária. O banco estima que a economia anual com as medidas alcance R$ 353 milhões em 2021 e R$ 2,7 bilhões até 2025. A discussão sobre um enxugamento da estrutura do BB existia desde meados do ano passado, mas ganhou força e profundidade com a chegada de André Brandão, presidente do BB que tomou posse em setembro de 2020. A cúpula do banco já tinha visões sobre a necessidade das mudanças, mas o desenvolvimento do plano só foi adiante após a posse do executivo vindo do HSBC. As mudanças anunciadas já estavam em grande parte acertadas com o Ministério da Economia, principalmente as que envolvem desligamento de pessoal. A estratégia é rever a necessidade de atendimento físico e fortalecer os canais digitais, que já representam a maior parte das operações.

De acordo com o banco, a Covid-19 acelerou esse movimento. A quantidade de transações em guichês de caixa no BB caiu 42% desde 2016, enquanto o uso digital dobrou no mesmo período e já responde por 86% das transações. “Essa tendência não apenas continua como se acentuou fortemente durante a pandemia, antecipando em mais de um ano nossas projeções de uso dos canais digitais”, afirma o banco em comunicado.

Desde abril do ano passado, o aplicativo do banco ganhou mais 4,7 milhões de usuários, chegando a 19,4 milhões, com uma média diária de crescimento 273% maior do que antes da pandemia. O contato via WhatsApp também registrou crescimento expressivo, chegando a quase 600 mil atendimentos por dia. As medidas anunciadas nesta segunda envolverão, ao todo, 870 unidades pelo país. Além do encerramento de atividades de parte delas, outras 243 agências terão suas funções reduzidas ao serem transformadas em postos de atendimentos (que não têm gerente). O banco também vai transformar 145 unidades de negócios em lojas. Elas possuem terminais, mas não guichês de caixa. Também serão criadas 28 unidades de negócios especializadas (sendo 14 agências voltadas a agronegócio e 14 escritórios para clientes que dão prioridade a serviços de forma digital), com aproveitamento de espaços já existentes. Segundo o Banco do Brasil, as mudanças nas agências acontecerão a partir de 22 de fevereiro e serão comunicadas aos clientes por SMS, aplicativo de celular, site na internet, terminais de autoatendimento, além de correspondências, e-mail e cartazes nas agências. A mudança de agência é automática. Os clientes não precisam fazer nenhum procedimento e podem manter seus cartões e senhas para transações, mesmo que haja alteração no número da conta.

* Com informações da Folhapress

Mais matérias
desta edição