app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Economia

D�lar recua mais e fecha em R$ 2,28

São Paulo – O dólar rompeu ontem, pela segunda vez na semana, a barreira de R$ 2,30, fechando em R$ 2,28, o nível mais  baixo desde 10 de maio do ano  passado. O fluxo positivo de recursos para o País e a expectativa de que empresas e bancos brasileiros c

Por | Edição do dia 06/04/2002 - Matéria atualizada em 06/04/2002 às 00h00

São Paulo – O dólar rompeu ontem, pela segunda vez na semana, a barreira de R$ 2,30, fechando em R$ 2,28, o nível mais  baixo desde 10 de maio do ano  passado. O fluxo positivo de recursos para o País e a expectativa de que empresas e bancos brasileiros captem mais de US$ 2 bilhões nas próximas semanas derrubaram as cotações, levando os bancos a atuar na ponta de venda. A nova baixa do petróleo também contribuiu para a queda de 0,96% registrada pela moeda, que acumula desvalorização de 36% desde 25 de março. Além disso, algumas empresas têm deixado de renovar as operações de proteção cambial (hedge). O forte recuo da moeda reabriu as discussões sobre o impacto de um dólar mais barato sobre a balança comercial. O mercado de câmbio operou quase o dia todo em queda, animado com as notícias de que o País deve receber uma enxurrada de dólares nas próximas semanas - a Petrobras, por exemplo, deve captar pelo menos US$ 300 milhões; o BNDES, de US$ 300 milhões a US$ 500 milhões; a Telemar, US$ 500 milhões; o Banco do Brasil, US$ 300 milhões; a Caixa, de US$ 200 milhões a US$ 300 milhões. O diretor de Tesouraria do Lloyds TSB, Pedro Thomazoni, diz que a expectativa de novas entradas levou as tesourarias de bancos a desmontar posições compradas (em que se aposta na alta das cotações), aumentando a oferta de dólares. Além disso, outras instituições apostavam na queda do dólar. Toda essa movimentação acentua a trajetória de queda das cotações. O fluxo de dólares para o País tem sido realmente significativo. O US$ 1,07 bilhão obtido com a venda das ações da Vale do Rio Doce passou pelo mercado entre 25 de março e 1º de abril. A operação foi feita pelo mercado e contribuiu para testar o nível de R$ 2,30.

Mais matérias
desta edição