app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Economia

Ind�strias consomem 23% da �gua da Terra

ROBERTO VILANOVA As indústrias consomem 23% dos recursos hídricos do Planeta, enquanto a população mundial fica com 8% da água disponível. Os números foram apresentados pelo Worldwatch Institute, ao alertar para a necessidade de se produzir, a partir de

Por | Edição do dia 07/04/2002 - Matéria atualizada em 07/04/2002 às 00h00

ROBERTO VILANOVA As indústrias consomem 23% dos recursos hídricos do Planeta, enquanto a população mundial fica com 8% da água disponível. Os números foram apresentados pelo Worldwatch Institute, ao alertar para a necessidade de se produzir, a partir de 2025, mais 780 milhões de metros cúbicos de água potável para se atender à procura mundial. O pesquisador Pablo Hernández explicou que, em muitos países, os governos já tratam de economizar e até reciclar a água. Citou o exemplo de Israel, onde 70% das águas residuais tratadas são usadas na irrigação. O mesmo ocorre no Egito. “Água é um recurso escasso e deve ser tratada como um bem social e não como um bem econômico”, acrescentou. Investimentos Para atender à demanda de água nos próximos anos e se evitar o colapso anunciado para 2025, o pesquisador Pablo Hernández, baseado em dados do Banco Mundial, disse que será necessário se realizar investimentos da ordem de 600 milhões de dólares só nos próximos dez anos. “A terra contém aproximadamente 1,4 milhão de quilômetros cúbicos de água, porém 97,4% são águas salgadas, dos mares e oceanos. Apenas 2,6% não são salgadas, mas, do que resta, apenas 0,001 por cento pode ser consumida pelo homem. Além disso, tem a questão do preço – para abastecer a população urbana o custo é de 105 dólares por pessoa; na zona rural, o custo é de 50 dólares”, completou. Aumentando Pablo Hernández disse que, no começo da década passada, 20 países sofriam com a escassez de água. Em 1996 o número passou para 26, o que representa 230 milhões de pessoas vivendo sérios problemas com a falta de água. “Esses são dados da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), que prevê a elevação desse número para 41 países até o ano 2020. As razões para essa escassez são evidentes: maior demanda sobre os recursos de água doce provocada pelo aumento da população; a degradação dos recursos hídricos, causando a contaminação da água e as necessidades criadas pelas demandas industriais e agrícolas”. Prossegue o pesquisador uruguaio: “A escassez e a má qualidade da água põem em risco a saúde e o bem-estar social e econômico, a alimentação segura e a diversidade biológica. Ademais, agrava as tensões e os conflitos, tanto interno como entre as nações”. Para o pesquisador Pablo Hernández, as conseqüências da escassez de água será sentida mais duramente nas regiões áridas e semi-áridas do Planeta. Mas isto não quer dizer que as regiões costeiras estarão livres; não estarão. Muitas cidades, metrópoles, do mundo em desenvolvimento, não têm capacidade de se abastecer. Não terão como se prover de água e enfrentarão sérios problemas com a incapacidade para ofertar água potável e saneamento aos seus cidadãos. “Será um período difícil”, avisou.

Mais matérias
desta edição