app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5714
Economia

Custo da constru��o sobe 1,91% no trimestre

São Paulo - Os custos nacionais da construção civil encerraram o primeiro trimestre com alta  acumulada de 1,91%, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e  Estatística (IBGE). Com a variação, os custos de construção fecharam março em R$ 359,65 por

Por | Edição do dia 09/04/2002 - Matéria atualizada em 09/04/2002 às 00h00

São Paulo - Os custos nacionais da construção civil encerraram o primeiro trimestre com alta  acumulada de 1,91%, conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e  Estatística (IBGE). Com a variação, os custos de construção fecharam março em R$ 359,65 por m2. O resultado indica alta mais acelerada, neste início de ano, do que a observada no primeiro trimestre de 2001, quando o índice acumulou 1,82%. O desempenho também contrasta com o verificado para o Custo Unitário Básico (CUB) residencial de São Paulo, que iniciou 2002 com reajuste menos acentuado: 0,78% acumulado até março, ante 1,29% acumulado no mesmo período de 2001. Segundo o IBGE, os custos nacionais de materiais de construção apontam alta acumulada de 1,98% no primeiro trimestre. A mão-de-obra registrou 1,81%. Em valores, no final de março, os materiais representavam R$ 203 por m2 nos custos médios de construção, enquanto a mão-de-obra agregava R$ 156,65. Em março, o IBGE apurou que de construção subiu 0,87% ante fevereiro. O desempenho ficou 0,49 ponto percentual acima do verificado no mês anterior e 0,20 ponto percentual acima do resultado de março de 2001. Os materiais aumentaram 0,30% sobre fevereiro, enquanto a mão-de-obra registrou 1,62%. Nos últimos 12 meses, os índices são de 9,53% e 8,39%, respectivamente. No mês passado, as regiões Norte, Sul e Centro-Oeste apresentaram reajuste dos custos de construção abaixo da média nacional (0,87%), com índices de 0,18%, 0,28% e 0,45%, respectivamente. O Nordeste reajustou o indicador em 1, 49% e o Sudeste, em 0,95%. No acumulado do ano, o Nordeste lidera, com 2,67%, seguido pelo Centro-Oeste (1,83%), Sudeste (1,80%), Norte (1 47%) e Sul (1,26%). Nos últimos 12 meses (abril de 2001 a março de 2002), o Centro-Oeste lidera a alta, com 11,01%. Em seguida, vêm o Norte (9 ,63%), Nordeste (9,57%), Sudeste (8,59%) e Sul (7 99%). O Sudeste continua sendo a região mais cara para se construir, onde o custo por m2 ficou em R$ 382,52, bem acima da média nacional de R$ 359,65. O Sul está em segundo lugar, com R$ 366,97 por m2, precedendo o Norte (R$ 357,35), Centro-Oeste (R$ 340,60) e Nordeste (R$ 328,55).

Mais matérias
desta edição